Ministério da Justiça vai apurar assassinato de deputado

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 28 de janeiro de 2003 as 19:11, por: cdb

“Eu vim prestar a solidariedade do Ministério da Justiça diante desta tragédia e colocar a disposição do serviço de segurança do Estado a Secretaria Nacional de Segurança e todos os nossos recursos”. Foi o que afirmou o secretário nacional de Segurança Pública, Luiz Eduardo Soares, que veio a Aracaju ajudar nas apurações do crime cometido contra o deputado estadual Joaldo Barbosa (PL), atendendo convite do governador João Alves Filho.

O secretário nacional de Segurança fez a declaração no Aeroporto Santa Maria, às 10h30 desta terça-feira, quando esteve reunido com o governador de Sergipe, o superintendente regional da Polícia Federal, Kérsio Silva Pinto, e o secretário estadual de Segurança Pública, Luiz Mendonça, entre outras autoridades ligados à segurança pública. Na oportunidade, garantiu que o trabalho de investigação esta sendo conduzido com muita competência e muita habilidade. “Já recebi um relato sumário, mas suficiente para que eu possa divisar a qualidade e sensibilidade com que este trabalho está sendo conduzido”, afiançou.
“Nós estamos realmente unidos numa rede pela construção da paz e da segurança pública”, enfatizou Luiz Eduardo Soares, acrescentando que as instituições estão unidas e aprofundando a cooperação entre elas para que fiquem mais fortes. “Este crime não ficará impune, nós temos absoluta confiança e convicção de haverá uma resposta à altura da Justiça e da Secretaria de Segurança à sociedade”, assegurou.

– Eu soube do caso ontem e logo me preparei para esta viagem, existe uma consternação geral no governo federal. O ministro José Dirceu ficou muito sensibilizado ao tomar conhecimento do crime, representando, digamos, o coração político do governo federal. Já o ministro da Justiça, Marcio Tomas Bastos, me pediu que o representasse aqui. Nós estamos muito chocados com o que ouve, assim como toda a sociedade sergipana. Um crime bárbaro e deve merecer uma resposta imediata porque nós sabemos que a impunidade é um dos principais alimentos da própria criminalidade – afirmou.

Afirmando que as apurações em torno do caso do deputado sergipano terão a mesma prioridade que as do assassinato do parlamentar do Rio de Janeiro, Luiz Eduardo Soares também prometeu empenho para que sejam elucidados os crimes cometidos em Sergipe contra o vereador e sindicalista Carlos Alberto de Oliveira, mais conhecido por Carlos Gato, o promotor de Justiça Waldir de Freitas Dantas, o radialista Cláudio Rotay, entre outros que ganharam grande repercussão nacional e que ainda não foram solucionados. “Nós não podemos tolerar e admitir a barbárie entre nós o que estão em jogo no fundo são as instituições democráticas e a segurança no do Brasil”, disse.

– A história do Brasil tem sido a história da desigualdade, a história da opressão, a história da impunidade. Nós sabemos que esta tem sido a característica sobre tudo quando se trata de criminosos do colarinho branco; são criminosos de elite. Infelizmente, nós sabemos que nossas cadeias estão repletas de pobres, miseráveis e loucos, os grandes operadores atacadistas, os grandes mandantes e os criminosos do colarinho branco permanecem de maneira em geral impunes. Eu acho que os governos que foram eleitos agora estadual e federal, trazem uma sinalização da opinião pública que não tolera mais tanta desigualdade tanta impunidade. Por isso, nós estamos tratando dessa forma este crime, nós estamos inaugurando uma outra metodologia um outro procedimento, o governo federal esta aqui presente, nos estamos unidos todas as policias trabalhando de forma cooperativa como nunca se pensou com o maior grau de profundidade e integração – concluiu Luiz Eduardo Soares.