Mineradora Xstrata aumenta oferta por WMC

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 2 de fevereiro de 2005 as 09:50, por: cdb

A mineradora Xstrata aumentou em 13% sua oferta de compra da rival australiana WMC Resources, para US$ 8,4 bilhões australianos (US$ 6,5 bilhões), na quarta-feira. Após o anúncio, as ações da WMC atingiram patamar recorde, pois os investidores acreditam em uma oferta ainda melhor.

Com interesse em acrescentar urânio e níquel a seu portfólio e em dobrar a produção de cobre, a Xstrata aumentou sua oferta depois que a WMC recusou a proposta anterior. Na primeira tentativa da mineradora suíça, a empresa conseguiu votos de apenas 1% dos acionistas da WMC.

A ação da WMC era negociada às 8h40 (horário de Brasília) em alta de 6,25%, cotada a 7,65 dólares australianos. Apesar da expectativa de uma oferta rival pela empresa, analistas acham difícil isso acontecer. A WMC, sexta maior mineradora de urânio do mundo, era negociada a menos de 5 dólares australianos quando a Xstrata anunciou sua primeira oferta em outubro do ano passado.

– Eu ficaria surpreso se outra proposta aparecer agora – disse o analista da F.W. Holst & Co., Rob Craigie.

Somente algumas empresas globais familiares que conhecem as condições de mineração na Austrália teriam condições de pagar mais pela WMC, afirmaram analistas. São elas: Companhia Vale do Rio Doce, BHP Billiton, Rio Tinto e Anglo American.

A WMC, que possui 38% das reservas conhecidas de urânio do mundo e é a quinta maior produtora de níquel do mundo, afirmou que vai considerar a nova oferta da Xstrata.

– Mais de três meses se passaram desde que nós confirmamos nosso primeiro interesse em adquirir a WMC, e ainda nenhuma proposta rival surgiu… acreditamos que nenhuma outra transação de ativos será capaz de entregar valor aos acionistas da WMC nos níveis de nossa proposta melhorada – disse o presidente-executivo da Xstrata, Mick Davis, em comunicado.

Analistas consideram que a nova oferta da Xstrata parece ser razoável, dada a incerteza sobre a demanda de longo prazo para commodities minerais.

– Se o conselho da WMC achar que pode tirar mais é outra questão – disse Tony Robson, da Global Mining Research.