Militante antiaborto James Kopp condenado a 25 anos de prisão nos EUA

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 9 de maio de 2003 as 17:38, por: cdb

O militante antiaborto James Kopp, acusado da morte de um ginecologista, extraditado em junho, depois de ter fugido para a França, foi condenado nesta sexta-feira em Buffalo (estado de Nova York) à pena máxima exigida para o caso: 25 anos de reclusão.

James Koop, de 48 anos, não quis ser submetido a um júri popular, aceitando que sua culpa ou inocência fosse decidida pelo juiz Michael D’Amico, do tribunal federal de Buffalo.

Nos dois dias em que duraram as audiências, este militante de longa data dos movimentos contra o aborto só afirmou, como única defesa, que não havia tido a intenção de matar o ginecologista Barnet Slepian, de 52 anos, pela prática de interrupções de gravidez, mas apenas feri-lo para impedir que continuasse.

Admitiu que havia se escondido num bosque próximo da residência do médico e que havia feito uso, para o disparo, de uma arma de caça de grosso calibre.

Ele chegou a fugir, para o México, Grã-Bretanha, Irlanda e França, onde foi detido em março de 2001. A polícia nova-iorquina vigiava um casal de militantes do Brooklyn, que também mantinha contacto com Kopp.

Ele foi detido pela polícia francesa quando saía de uma agência de correios em Dinan (oeste da França). Depois que as autoridades francesas se asseguraram de que não corria o risco de ser condenado à pena de morte, James foi extraditado para os Estados Unidos.