Milícias pró-Saddam teriam disparado contra civis que deixavam Basra

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 28 de março de 2003 as 14:53, por: cdb

Basra, a segunda maior cidade do Iraque, continuou nesta sexta-feira sendo palco de alguns dos mais violentos conflitos da guerra e também das informações mais desencontradas até o momento.

No mais recente desdobramento do conflito em Basra, militares britânicos, que há dias cercam a cidade, informaram que milícias que apóiam o presidente Saddam Hussein dispararam contra civis que tentavam deixar a cidade.

Não há informações precisas sobre vítimas. Tropas britânicas dizem ter atirado contra as milícias e tentado se posicionar entre os atiradores e os civis. Também não ficou claro quantas pessoas tentaram fugir da cidade. Alguns relatos dão conta de que seriam mais de 2 mil pessoas. Há outros relatos que falam de centenas.

De acordo com correspondentes da BBC no local, os civis poderiam estar tentando conseguir água e comida em pontos fora de Basra, como fizeram nos últimos dias.

Sem água e comida

Os suprimentos de água foram cortados pela metade.

O secretário-geral da ONU, Kofi Annan, alertou que a cidade enfrentará uma catástrofe humana, caso ajuda não chegue logo ao local.

De acordo com os correspondentes da BBC, assim que os tiros foram disparados, muitos civis recuaram de volta a Basra.

Os britânicos disseram estar tentando levar ambulâncias para a cidade. Os combates continuam.

Tropas da Grã-Bretanha se envolveram em batalhas com unidades militares iraquianas que teriam deixado Basra ao menos três vezes nessa semana, inclusive numa batalha de tanques na quinta-feira.

As dúvidas em torno dessas batalhas demonstram as diferentes informações que têm partido da cidade.

Em um dos combates de tanques, falou-se incialmente em uma coluna de 120 veículos. Esse número depois foi reduzido para 14 e, finalmente, para três.

Tradicional região xiita de oposição ao regime sunita de Saddam, Basra também teria sido palco de uma revolta popular nos últimos dias.

Mas assim como no caso da batalha de tanques, as informações divulgadas não puderam ser confirmadas.