Michael Owen vive situação delicada no Real Madrid

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 18 de janeiro de 2005 as 19:59, por: cdb

Liderar o ataque do Real Madrid na partida de quarta-feira na Copa do Rei contra o Valladolid representará uma situação mista para o atacante inglês Michael Owen.

Por um lado, o ex-jogador do Liverpool vai saborear a chance de adicionar mais gols em sua carreira, mas por outro, ele também sabe que suas chances de brilhar em campo estão limitadas às ocasiões em que os titulares estão afastados.

“Quando jogamos fora contra o Valladolid foi um jogo difícil para todos”, disse Owen em entrevista coletiva na segunda-feira.

“O técnico poupou vários jogadores que normalmente atuam, então naturalmente isso significa que não fomos tão bem enquanto time. Talvez as chances tenham ficado difíceis, mas isso é natural se você poupa Zidane, Figo e Ronaldo e outros.”

Owen será titular no jogo de volta da Copa do Rei, em Madri, ao lado de Portillo.

Apesar de ter provado que é um dos mais efetivos finalizadores da Liga, Owen não consegue uma vaga de titular no Real Madrid e tem sua contribuição restrita no time de galácticos.

Para o início, Owen está satisfeito com suas atuações e com a marca de sete gols em 770 minutos na liga. Ele tem melhor média de gols que os titulares Ronaldo e Raul.

“Marcar gols não é estranho para mim porque tenho feito isso durante toda minha vida”, declarou o inglês. “Sempre tenho bons recordes e não estou surpreso com os gols que marquei nesta temporada.”

Mas o problema para Owen é que, apesar do bom desempenho, Ronaldo e Raul continuam na frente dele na equipe.

Ronaldo, que marcou 11 gols na liga até agora, segue sendo um dos melhores finalizadores do mundo e é improvável que Owen substitua o brasileiro.

Raul tem tido atuações abaixo do que jogou nos últimos anos e marcou apenas quatro gols. A dificuldade, porém, é que Raul é o capitão da equipe e um talismã para o clube e torcedores.

O técnico Vanderlei Luxemburgo insiste que não se sente sob pressão para escalar a equipe, mas seria uma surpresa ver Raul sendo substituído por Owen.

O atacante inglês continua ambicioso, mas está frustrado com a situação.

“Quero melhorar a situação que estou no momento. Quero estar entre os 11. Nunca me sentirei feliz no banco de reservas. Não sou o tipo de pessoa que está feliz ao não progredir.”