México irá combater idéia norte-americana de muro na fronteira

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 2 de dezembro de 2005 as 10:23, por: cdb

O México combaterá as propostas de erguer um muro em parte da fronteira do país com os Estados Unidos, disse na quinta-feira o ministro das Relações Exteriores mexicano, Luis Ernesto Derbez. Preocupados com o grande número de imigrantes ilegais que atravessam a fronteira e com a possibilidade de que essas passagens sejam usadas por terroristas, muitos membros do Congresso norte-americano defendem a construção ali de uma barreira semelhante ao Muro de Berlim.
O deputado republicano Duncan Hunter propôs erguer duas cercas paralelas, de aço e com arames farpados, entre o golfo do México e a costa do Pacífico.
– Usaremos todos os instrumentos necessários, e estou me referindo aqui a coisas como os tribunais internacionais e a outras ações internacionais, para deixar claro que essa não é uma medida capaz de resolver a questão da imigração –  afirmou Derbez.

O presidente norte-americano, George W. Bush, prometeu nesta semana intensificar o uso de aviões-robô, cercas e outras tecnologias para aumentar o controle sobre a fronteira. Segundo autoridades dos EUA, a construção de uma cerca de 23 quilômetros ao sul de San Diego já diminuiu a entrada de imigrantes ilegais ali. Todo ano, mais de 1 milhão de imigrantes sem documentos tentam passar através dos rios e desertos espalhados pelos 3.200 quilômetros da fronteira México-EUA em busca de trabalho nos EUA. Pessoas contrárias à construção da cerca dizem que ela não seria totalmente eficiente.

– Garanto ao governo norte-americano que isso (um muro) não deterá os imigrantes. O que acontecerá é que eles vão cavar um túnel por debaixo dele. A solução para o problema é a assinatura de um acordo para permitir a migração legal, de forma segura e ordenada – afirmou Derbez.

O secretário de Segurança Interna dos EUA, Michael Chertoff, disse que a construção de um muro em toda a fronteira seria algo dispendioso demais e que não fazia sentido em áreas desérticas. Chertoff afirmou que o governo pretendia implementar uma barreira “inteligente”, do “século 21”, combinando uma cerca de alta tecnologia em áreas urbanas com equipamentos de vigilância nas regiões de deserto.