Método francês de protestar já chega a 270 cidades na Europa

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 8 de novembro de 2005 as 10:39, por: cdb

Os protestos iniciados a 12 dias já atingem vários municípios franceses configurando uma das mais graves revoltas desde 1968. Também na Alemanha e Bélgica, atingindo 270 cidades européias, foram incendiados dezenas de carros em aparentes ações de solidariedade, segundo relatório que do Indymedia-Itália, um dos maiores centros independentes de Mídia do mundo. Uma testemunha ocular falava de jovens recitando “Sarkozy Fascista! Sarkozy Fascista! Sarkozi Fascista!..”. Sarhozy é o ministro interior francês que chamou os moradores pobres de “ralé do ghetto”.

As hostilidades começaram em julho deste ano entre as forças da segurança (CRS) e 200 moradores (principalmente jovens oriundos do Norte da África) munidos com pedras, molotovs e tacos de basebol, o que resultou em 30 policiais hospitalizados. Dois policiais foram seriamente feridos. Houve 390 prisões. Os “líderes” da comunidade muçulmana e das organizações islamicas da França decretaram um “fatwa” (uma espécie de toque de recolher religioso) que desagradou os manifestantes por estar “cumprindo seu papel histórico de sempre se posicionar do lado errado, defendendo o controle social e o estatismo” disse um dos manifestantes.