Merkel quer mandar cobradores de impostos alemães para a Grécia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012 as 11:53, por: cdb

Dois dias antes de aprovar o apoio ao empréstimo de 130 mil milhões de euros da troika a Atenas, o governo alemão deu a conhecer a proposta de envio de cobradores de impostos para a Grécia, como fizeram à Alemanha de Leste em 1990.Artigo |29 Fevereiro, 2012 – 18:45A proposta manteve Merkel em alta nas sondagens na Alemanha, mas deverá aumentar o sentimento anti-alemão em Atenas. Foto pluralzed/Flickr

Segundo a agência Reuters, os alemães já recolheram 160 candidaturas de técnicos fiscais dispostos a partir para Atenas e acabar com a fuga ao fisco, calculada pela troika em 60 mil milhões de euros, ou seja, 25% do PIB grego.

Naturalmente, a proposta não contribui em nada para melhorar o sentimento anti-alemão que cresce na Grécia, a começar pelo presidente da República que acusou  o ministro alemão das Finanças Wolfgang Schaeuble de insultar o seu país. As reservas de Schaeuble ao cumprimento por parte da Grécia da austeridade imposta pela troika são bem conhecidas: o ministro alemão não tem problemas em referir-se  à Grécia como “um poço sem fundo” e os gregos vêem nestas notícias sobre o envio dos cobradores de impostos alemães uma nova tentativa de afrontar a soberania do seu país.

A proposta alemã foi revelada por um porta-voz de Schauble e outros responsáveis políticos da Alemanha recordaram a forma como os alemães de Leste receberam os cobradores do lado Ocidental do país em processo de reunificação. Por exemplo, o ministro das Finanças da Renânia do Norte-Vestfália, de onde é oriunda a maior parte dos candidatos, diz que “houve resistência por parte de alguns alemães de Leste, mas nada comparado às reservas que os gregos vão ter em relação aos alemães”, agora que a troca de palavras duras entre políticos dos dois países vieram reabrir as feridas abertas pela sangrenta ocupação nazi da Grécia.

Os comentários reprovadores dos políticos e media alemães, que retratam os gregos e outros povos do Sul da Europa como preguiçosos e irresponsáveis, estão a causar o aumento do sentimento anti-alemão na Grécia: Angela Merkel já aparece nas capas de jornais gregos em montagens fotográficas envergando o uniforme nazi e há bandeiras alemãs queimadas nas manifestações contra as imposições da troika que arruinam a economia e ameaçam a independência do país.

Em janeiro, já tinha sido recusada a proposta alemã de nomear um comissário para supervisionar as finanças gregas, com direito de veto sobre as despesas ordenadas pelo primeiro-ministro Papademos. E agora tudo indica que esta insólita expedição de cobradores de impostos alemães para Atenas tenha o mesmo destino, servindo apenas para manter em alta a popularidade de Merkel e da direita alemã nas sondagens.