Mercado de serviços de TI cresce em 2001

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 13 de setembro de 2001 as 17:20, por: cdb

O mercado de serviços de TI não será muito afetado e continuará a proporcionar muitas oportunidades durante esse período, apesar das previsões de um cenário econômico mundial nebuloso para os próximos dois anos. Esta é uma das tendências apontadas em um relatório divulgado pelo insituto norte-americano de pesquisas do mercado de Tecnologia da Informação IDC – International Data Corporation.

O relatório apresentado pela IDC Brasil é o “Brazil IT Services Trends and Forecast, 2001”, onde analisa detalhadamente o mercado de serviços profissionais relacionados à tecnologia da informação no país. Para este trabalho, segundo a subsidiária brasileira, foram entrevistados e analisados os principais provedores de serviços profissionais do nosso mercado,

O estudo revelou que este segmento em 2000 teve um crescimento de 16% em relação a 1999, quando passou de U$ 4,3 bilhões para U$ 5,1 bilhões (em 2000 o mercado total de TI somou US$ 14 bilhões). De acordo com o relatório, uma das molas propulsoras para este crescimento foi a Internet, que acabou gerando muitos projetos de consultoria em decorrência da procura do mercado por soluções Web.

Porém, para a IDC Brasil, se por um lado a Internet alavancou a procura por serviços, por outro acabou aumentando a escassez de mão-de-obra qualificada. Com a explosão das pontocom, que acabaram “roubando” uma parte dos profissionais capacitados que estavam trabalhando em outras empresas, o restante do mercado viu-se obrigado a se desdobrar para manter seus funcionários, sendo que muitas companhias tiveram que formar seus próprios profissionais através de programas de treinamento internos.

“Há empresas, inclusive, que criaram suas próprias universidades e cursos de treinamento como uma forma de minimizar essa escassez. Não se pode esquecer que isso acarreta um alto custo, pois inclui gastos com locomoção, hospedagem e refeições. Este custo é ainda multiplicado pelas constantes atualizações tecnológicas”, afirma Danielle Andreazzi, analista de serviços de TI da IDC Brasil.

De acordo com o estudo, a projeção de receita para 2001 no segmento de serviços é de U$ 5,8 bilhões, com um crescimento de 14% em relação ao ano passado, devido ao aumento da demanda por serviços de terceirização.

O estudo mostrou ainda que os segmentos verticais que mais demandaram investimentos durante o ano 2000 foram os de finanças, manufatura e telecomunicações, nesta ordem. A indústria financeira continua a ser uma das grandes precursoras do mercado em iniciativas de TI em 2001, com destaque para a adequação às normas que atendam ao novo SPB (Sistema de Pagamento Brasileiro), que teve o prazo de implementação imposta pelo Bacen inicialmente para junho deste ano e agora prorrogado para janeiro de 2002, data final para os bancos concluírem o Sistema de Transferência de Reservas (STR).

Já a área de utilities – que está sendo impulsionada pela crise energética – será responsável pelos novos negócios no setor em consultoria de redes e integração de serviços e sistemas durante este ano.

Outro setor, para a IDC Brasil, que deve apresentar um alto crescimento neste ano é o segmento público, especialmente a área de governo, já que este tem a meta de colocar todas as suas iniciativas pela Web até 2002, necessitando de uma implementação rápida de soluções de eGovernment.

A IDC identificou ainda a liderança absoluta da IBM neste segmento de oferta de serviços, detendo um pouco mais de 10% de participação no mercado. A analista da IDC Brasil aponta para o fato de que a Compaq – com a aquisição de seu controle pela HP – deverá passar do 5º lugar para o 2º no ranking das maiores empresas de serviços de TI no Brasil.