Mercado de armazenamento de dados atinge US$ 550 milhões em 2001

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 9 de outubro de 2001 as 16:32, por: cdb

Um faturamento total de US$ 550 milhões no mercado brasileiro de sistemas e soluções de armazenamento de dados para 2001. Esta é uma das conclusões de um estudo recente realizado pela subsidiária brasileira do instituto norte-americano IDC, que indica que foram movimentados cerca de US$ 483 milhões no mercado nacional de equipamentos para armazenamento de dados só no ano passado. Um valor, segundo o estudo, que representou 68% do total movimentado pelos três maiores mercados da América Latina, como México, Argentina e Brasil.

Segundo o analista da IDC Brasil responsável pela pesquisa, Bruno Rossi, o armazenamento em sistemas de disco, especificamente, movimentou uma soma total de US$ 379 milhões,19% acima do valor total alcançado em 1999. “No ano passado e no primeiro semestre de 2001, o crescimento do armazenamento em disco foi impulsionado pelo aumento exponencial do volume de dados gerados pelas empresas, especialmente em sistemas de CRM, Datawarehouse, Intranets e aplicações de eBusiness, que exigem uma infra-estrutura de armazenagem com níveis de redundância, operação 7x 24 (sete dias por semana, 24 horas ao dia), e alta performance na recuperação de dados”, explica Rossi.

De acordo com a pesquisa, o mercado de equipamentos para armazenamento em fitas de backup (tape storage) movimentou, em 2000, cerca de US$ 103 milhões, o que representa um crescimento de 24% sobre 1999. Entre as aplicações mais comuns do tape storage no Brasil estão as soluções de backup e recuperação de dados, além do armazenamento de informações que não são acessadas com freqüência. A IDC Brasil verificou uma alta penetração desta tecnologia entre médias empresas e o setor público, em função de seu baixo custo em relação a outros meios de armazenamento e pela facilidade de gerenciamento apresentadas por estes sistema.

No estudo, a IDC Brasil analisou e dimensionou – pela primeira vez no Brasil – o mercado de armazenamento em sistemas magneto-ópticos, que teve um movimento de pouco mais de US$ 1,5 milhão, um valor ainda pequeno se comparado ao conquistado por outras tecnologias de armazenamento. No entanto, para os próximos anos, a IDC Brasil acredita num crescimento médio desta tecnologia em torno de 30% ao ano. “As empresas já vêm se conscientizando das vantagens do armazenamento em sistemas magneto-ópticos para imagens, filmes, documentos eletrônicos, arquivos médicos e outras aplicações”, observa o analista.

No primeiro semestre deste ano, o mercado brasileiro de storage totalizou US$ 252 milhões em sistemas comercializados. Até o final de 2001, deverão ter sido vendidos cerca de US$ 550 milhões entre as tecnologias disco, tape e optical storage. Este número representa um crescimento de 14% sobre 2000, um percentual acima da média das previsões para o mercado de hardware no Brasil para este ano.

Segundo Rossi, as pequenas empresas continuarão usar redes internas de comunicação para o uso de aplicativos para gerenciamento de seus processos internos, relacionamento com clientes e fornecedores, o que demanda mais capacidade de armazenamento. “Também, nos próximos anos, o mercado de storage será beneficiado pelas melhorias nas redes de transmissão de dados entre empresas, departamentos e usuários”.