Mercadante critica ‘continuismo’ a política econômica

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 10 de novembro de 2006 as 16:10, por: cdb

O senador Aloizio Mercadante (PT – SP), em seu primeiro discurso na tribuna do Senado após as eleições, nesta sexta-feira, defendeu mudanças na política econômica no segundo mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Para Mercadante, que já foi um dos principais conselheiros econômicos de Lula e diversas vezes cotado para assumir o Ministério da Fazenda em lugar do ex-ministro Antonio Palocci, o atual modelo econômico foi vitorioso no primeiro governo petista, mas não conseguirá aumentar a taxa de crescimento para 5% a partir de 2007, meta estabelecida pelo Ministério da Fazenda

– Sou contra o continuísmo da política econômica. A política econômica que tivemos nesse período foi de transição, cumpriu seu papel. Foi uma política que estabilizou a economia porque fizemos superávit primário crescente para poder reduzir o crescimento da divida pública -, disse Mercadante.

– Mas essa política econômica não vai permitir o crescimento de 5% ao ano. Não adianta continuarmos apenas aumentando superávit primário, fazendo ajuste fiscal, e buscando combinar essa política monetária com a fiscal, que não chegaremos ao crescimento de 5% -, ressaltou.

O discurso desta sexta foi o primeiro de Mercadante após a derrota nas últimas eleições, quando perdeu a eleição para o governo de São Paulo para o candidato do PSDB, José Serra. Mercadante criticou o que chamou de “velho desenvolvimentismo”.

– É imaginar que, apenas baixando juros, vamos gastar mais, investir mais e impulsionar o crescimento econômico, que a inflação não volta e que o crescimento acomoda a pressão inflacionária -, disse.

Embora não tenha citado nomes, o discurso tem endereço: o presidente do PT e secretário-especial da presidência da República, Marco Aurélio Garcia, que vem defendendo que a redução dos juros vai acelerar o crescimento do país.