Meio Ambiente e Pesca podem solucionar divergências, diz secretário

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 26 de junho de 2012 as 14:01, por: cdb

O secretário de Biodiversidade e Florestas do Ministério do Meio Ambiente, Roberto Brandão Cavalcanti, ressaltou, há pouco, que a maior parte do licenciamento ambiental do setor da aquicultura cabe aos órgãos estaduais, mas que é possível um trabalho conjunto dos ministérios do Meio Ambiente e da Pesca para a solução de divergências nesse setor.

As declarações de Brandão foram uma resposta ao ministro do Meio Ambiente, Marcelo Crivella, que afirmara anteriormente que o licenciamento ambiental era um dos principais entraves para o crescimento do setor pesqueiro e da aquicultura no Brasil. Os dois participam de audiência pública da Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural para discutir as políticas brasileiras de aquicultura para geração de emprego e renda.

Escolha de espécies
Roberto Brandão destacou, por exemplo, que a escolha da espécie de peixe a ser cultivada é fundamental para facilitar o processo de licenciamento, já que a introdução de espécies exóticas é a segunda maior causa de perda da biodiversidade.

Entre os impactos ambientais da produção de pescado, o representante do Ministério do Meio Ambiente citou: a degradação e a perda de habitat; a alteração na qualidade e quantidade da água; a produção de efluentes orgânicos (fezes); e a fuga de espécies invasoras que alteram o ambiente natural e podem transmitir parasitas para as espécies nativas.

Ele disse ainda que os empreendimentos de baixo impacto podem usar um procedimento simplificado de licenciamento previsto na legislação.

A audiência ocorre no Plenário 6.

Continue acompanhando esta cobertura.

Tempo real:16:07 – Licenciamento ambiental é entrave para o crescimento da pesca, diz ministro15:16 – Começa audiência sobre geração de emprego e renda por meio da aquiculturaReportagem – José Carlos Oliveira/Rádio Câmara
Edição – Newton Araújo