Médicos iraquianos negam estupro da soldado Jessica Lynch

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 10 de novembro de 2003 as 23:56, por: cdb

Os médicos iraquianos que trataram a soldado Jessica Lynch negaram nesta segunda-feira a alegação contida em sua biografia de que a paciente tenha sido estuprada durante os dias em que esteve nas mãos dos iraquianos. Segundo eles, a militar, reformada, teve os melhores cuidados possíveis.

Jessica foi violentada por seus captores iraquianos, diz sua biografia autorizada com base em sua ficha médica. A porta-voz da família Lynch, Aly Goodwin, sem confirmar diretamente, lamentou que se tenha dado atenção a um incidente.

A biografia autorizada “I am a Soldier, Too: The Jessica Lynch Story” (Também sou um soldado: a história de Jessica Lynch), será lançada pela Editora Knopf nesta terça-feira, Dia dos Veteranos. A obra foi escrita pelo jornalista Rick Bragg, autor de vários livros e ganhador do prêmio Pulitzer. Ele deixou o New York Times em maio, depois ter assinado uma reportagem apurada na sua quase totalidade por um freelancer.

Jessica, que planeja se casar em junho com o sargento Ruben Contreras, foi enviada ao Kuwait em janeiro e capturada no Iraque no dia 23 de março, depois que seu comboio sofreu uma emboscada. Muito ferida, acabou sendo resgatada de um hospital por soldados americanos. Inicialmente foi noticiado que ela lutara bravamente contra os captores, mas depois as informações foram desmentidas.