Máscaras de bin Laden viram sensação para o Dia das Bruxas no Rio de Janeiro

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 22 de outubro de 2001 as 16:56, por: cdb

O Carnaval pode estar longe, ainda, mas os fabricantes de máscaras do Rio de Janeiro estão rindo à toa. As vendas tiveram um estouro nos últimos dias e o motivo é a guerra dos Estados Unidos contra o terrorismo e Osama bin Laden.

Pois não é que o terrorista saudita caiu no gosto popular dos cariocas que, de uns anos para cá, vêm cultivando cada vez mais intensamente o hábito norte-americano de festejar o Halloween?

Na caça às bruxas, a máscara de bin Laden é campeã de audiência para a festa que será comemorada no próximo dia 31.

Ao preço de 15 reais, as máscaras nem esquentam as prateleiras da loja de fantasias mais tradicional do Rio de Janeiro, a Cara Turuna. São vendidas 25 unidades por dia, ou seja, cinco vezes mais do que os segundos colocados na preferência do consumidor: os rostos do presidente Fernando Henrique Cardoso e do principal favorito à sua sucessão em 2002, Luiz Inácio Lula da Silva.

Os fabricantes só não estão mais felizes porque a outra aposta que fizeram para o Halloween revelou-se uma “furada”: as máscaras do presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, que chegaram ao mercado junto com as de bin Laden, encalharam.