Marina diz que não é contra, apenas defende avaliação dos transgênicos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 30 de setembro de 2003 as 18:36, por: cdb

A ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, disse nesta terça-feira não ser contra a produção de organismos geneticamente modificados, os chamados transgênicos, mas que apenas defende a realização de estudos de impacto ambiental sobre esses produtos para que o meio ambiente e a saúde pública não venham a ser prejudicados por conta dessa produção e consumo.

– Dizem que somos contra a ciência e que somos fundamentalistas. Isso não é honesto, intelectualmente falando – afirmou a ministra logo após proferir palestra no Tribunal de Alçada Criminal do Estado de São Paulo.

– O que dizemos é que a liberação dos organismos geneticamente modificados só deve ocorrer após um estudo de impacto ambiental, por dentro do processo de licenciamento – justificou.

Ela acusou seus opositores e, portanto, defensores dos transgênicos, de promoverem uma “desqualificação” de suas idéias e, por isso, a questão dos transgênicos se transformou numa disputa bipolar, de contra e a favor, que empobrece o debate sobre o tema. “Essas teses serão disputadas no Congresso Nacional, porque lá está a representação da sociedade”, comentou.
 
Ao enfatizar sua defesa sobre o aprofundamento dos estudos, Marina ressaltou que as pesquisas feitas sobre transgenia até o momento consideram as realidades norte-americana e canadense e não a brasileira. “Temos que levar em consideração a biodiversidade brasileira, porque o nosso bioma é diferente dos Estados Unidos e do Canadá”, explicou. “Se tem segurança, depois licencia-se (os transgênicos), sem problema”, complementou.