Mantega concorda com pontos do acordo entre o Brasil e o FMI

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 2 de agosto de 2002 as 00:12, por: cdb

O economista do PT, Guido Mantega, um dos mais influentes assessores do candidato Luiz Inácio Lula da Silva, disse nesta quinta-feira que admite manter o que poderia ser as bases de um eventual acordo com o FMI.Mantega afirmou que concorda com a manutenção do superávit primário na casa de 3,75%, com a estabilidade e com o cumprimento dos contratos. “Com isso nós concordamos”.

O economista disse que o partido precisa conhecer as condições pedidas pelo FMI antes de se decidir, mas afirmou que há pontos com os quais não concordaria, “como economista”.

“Não aceitaria a privatização das empresas de energia elétrica e não aceitaria a imposição da elevação das taxas de juros”, disse ele.

Para o petista, é obrigação do governo chamar o partido para conversar sobre um eventual acordo com o FMI.

“Existe um procedimento (a ser seguido), porque a autoridade constituída é Fernando Henrique Cardoso e cabe a ele fazer qualquer tipo de negociação; e, se ele quer comunicar os candidatos, tem que fazê-lo formalmente”, afirmou Mantega. E completou: “Depois o partido vai ver se fecha um acordo ou não.”

O economista está na Alemanha, onde teve encontro com investidores para expor as idéias do PT em relação à economia.

Apesar das declarações, o economista afirmou que é muito vago discutir pontos de um acordo hipotético com o Fundo.

“Fica muito vago falar (…) Eu não sei exatamente o que o Fundo está pedindo.”