Mandelson acusa Brasil, EUA e Austrália de barrar acordos na OMC

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 7 de novembro de 2005 as 19:14, por: cdb

O comissário de comércio europeu Peter Mandelson acusou países como o Brasil, Estados Unidos, e Austrália de impedir avanços nas negociações por um comércio global mais justo, antes de mais uma rodada de conversas, no âmbito da Organização Mundial do Comércio (OMC) nesta segunda-feira em Londres, na Grã-Bretanha. Mandelson afirmou que a União Européia fez propostas “sem precedentes” em relação a cortes de subsídios agrícolas e taxas alfandegárias para tentar chegar a um acordo.

No final de outubro, o bloco ofereceu cortes de até 60% nas tarifas mais altas de importação agrícola, mas Brasil e Estados Unidos consideraram a proposta decepcionante.

– O problema é que, até o momento, a rodada foi desviada do foco principal por exportadores agrícolas muito agressivos – os Estados Unidos, o Brasil e a Austrália – países que, na minha opinião, têm interesses que não coincidem com os interesses de um grande número de países em desenvolvimento, para os quais esta rodada deveria estar funcionando – afirmou o comissário.

Segundo Peter Mandelson, um acordo nesta rodada de conversas representaria uma injeção anual entre US$ 100 e US$ 300 bilhões na economia global, o que ajudaria vários países pobres e em desenvolvimento a crescer.

Oposição francesa

O objetivo do encontro de representantes da área de comércio de Índia, Brasil, Japão, Estados Unidos e União Européia é fechar um acordo de flexibilização comercial antes da cúpula da Organização Mundial do Comércio, marcada para dezembro em Hong Kong. O comissário de comércio europeu também enfrenta oposição dentro do próprio bloco: a França afirma que o cargo de Mandelson não dá a ele o direito de oferecer cortes nos subsídios e impostos sobre produtos agrícolas nas negociações.

– Os franceses tendem a se colocar numa posição defensiva e conservadora quando o assunto são rodadas de comércio. Mas, nós vamos administrar isso, porque estamos trabalhando de acordo com o mandato concedido a nós pelos países-membros da União Européia. O governo francês não tem o direito de veto em relação às propostas que a comissão faz e as táticas de negociação que eu emprego. – afirmou Mandelson à BBC.

Depois das conversas desta segunda-feira, os representantes dos países que participam da rodada voltam a se encontrar em Genebra na terça e quarta-feira.