Malan tenta explicar acordo com FMI e diz que meta pode não ser cumprida

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 7 de agosto de 2001 as 19:27, por: cdb

Além de não garantir o teto de 6 por cento para a inflação deste ano, o presidente do Banco Central Armínio Fraga Neto, afirmou que não há garantias de se cumprir o que foi acordado com o Fundo Monetário Internacional.

Ele acrescentou ainda que, se esse limite for ultrapassado, o Brasil precisará fazer uma carta pública explicando os motivos do estouro, um pedido oficial de “perdão” ao Fundo, mas isso não interromperá o desembolso acertado entre o país e aquela instituição bancária.

Já o secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Amaury Bier, disse também nesta terça-feira que o superávit primário de 3,5% do PIB para 2002, previsto no acordo com o FMI, representará um resultado de R$ 45,7 bilhões, tomando por base o PIB de R$ 1,304 trilhão.