Maioria paquistanesa é favorável ao Talebã e chama bin Laden de guerreiro sagrado

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 15 de outubro de 2001 as 12:54, por: cdb

Uma pesquisa de opinião divulgada nesta segunda-feira mostrou que há um apoio maciço ao Talebã (milícia que governa parte do Afeganistão), embora a maioria dos paquistaneses concorde com o modo como o governante militar Pervez Musharraf vem tratando a crise afegã.

Dos estrevistados, 83% dos paquistaneses disseram que estavam do lado do Talebã e 82%, chamaram Osama bin Laden – principal suspeito de comandar os atentados de 11 de setembro aos EUA – de “mujahid” (guerreiro sagrado) e não de terrorista.

A pesquisa, que segundo o Gallup demonstrou “emoções complexas”, indicou que somente 12% dos paquistaneses acreditam que Bin Laden seja responsável pelo ataque.

Dentre os entrevistados, 51% responderam apoiar a política de Musharraf, número maior que os 32% da coleta de dados de três semanas atrás.

Contudo, quando questionados sobre a decisão específica de Musharraf de permitir que Washington usasse as bases aéreas paquistanesas, 75% dos entrevistados afirmaram ser contra e somente 16% aprovavam a ação.

A pesquisa, conduzida pela filiada no país do Gallup International, foi divulgada no mesmo dia em que o secretário de Estado dos EUA, Colin Powell, chega ao Paquistão para conversas sobre o Afeganistão com Musharraf.

Apesar de Washington se empenhar para dar assistência econômica ao Paquistão em retribuição ao apoio, muitos paquistaneses estão céticos quanto ao seu valor e pessimistas sobre o futuro da economia local.

Somente 59% acreditam que a ajuda econômica seria útil, enquanto 38% disseram que seria prejudicial. Depois que a crise passar, 54% dos paquistaneses acreditam que a economia vai piorar e 22% acham que ela vai ficar melhor.