Mães que assassinou oito filhos vai a julgamento

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 27 de abril de 2006 as 11:31, por: cdb

Sabine H., ex-assistente de dentista desempregada e com 40 anos, compareceu nesta quinta-feira ante um tribunal de Frankfurt de Oder na primeira audiência de um processo em que responde pelo crime de infanticídio, depois que foram descobertos os corpos de nove bebês mortos logo após seu nascimento. O caso que abalou a Alemanha. A acusada manteve-se em silêncio enquanto ouvia as acusações pelo assassinato, entre 1992 e 1998, de oito de seus nove filhos. O crime do nono bebê, afogado numa privada em 1988, prescreveu segundo as leis alemães. A mulher pode ser condenada a 15 anos de prisão.

– Eu não os deixei morrer premeditadamente, só os abandonei, não cuidei mais deles – declarou a acusada, que disse ter medo de seu marido, que seria um ex-agente da polícia secreta Stasi da antiga União Soviética, que não queria que ela tivesse mais filhos.

A defesa tenta alegar problemas mentais causados por excessivo consumo de álcool e crises familiares para abrandar a pena de sua cliente. Segundo a acusação, Sabine H. manteve dois bebês num freezer por anos antes de enterrá-los na jardineira de sua janela e depois escondê-los na casa de seus pais.

Detida, a mãe declarou ter “trazido seus bebês ao mundo sozinha e sem ajuda, sob efeito do álcool”. Disse também que não se lembrava dos primeiros nascimentos. Indagada sobre a localização de um dos corpos, declarou:

– Devo ter enterrado em algum lugar.

A tragédia mostra a miséria em que viviam os alemães na extinta República Democrática Alemã (RDA), onde o desemprego chega aos 20%. Os restos dos corpos foram descobertos por acaso em julho de 2005 por um vizinho que estava arrumando a garagem dos pais da acusada. O casal, divorciado, tem, além disso, outros três filhos vivos, todos maiores. Em 2004, a mulher deu à luz uma menina nascida da relação com outro homem.