Lula vai às lágrimas com primeiro diploma

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 14 de dezembro de 2002 as 13:34, por: cdb

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) entregou neste sábado a Luiz Inácio Lula da Silva e a José Alencar os diplomas de presidente e vice-presidente. No momento mais tocante da cerimônia, Lula foi às lágrimas ao lembrar que passou toda a campanha eleitoral sendo acusado de não ter um diploma universitário.

“Ganhei meu primeiro diploma, diploma de presidente da República”, disse, provocando o choro também em várias das pessoas presentes, em especial a esposa, Marisa Letícia, e antigos companheiros de luta no Partido dos Trabalhadores.

A polêmica do curso superior foi explorada sem trégua pelo principal adversário de Lula, o ex-ministro da Saúde José Serra, durante a corrida à Presidência.

Diante do mal-estar provocado pelos comentários de Serra, acusado de ser preconceituoso, até o presidente Fernando Henrique Cardoso saiu em defesa do ex-metalúrgico.

A 18 dias de sua posse, Lula foi levado ao Plenário do TSE pelo ministro Sepúlveda Pertence. A cerimônia, conduzida pelo presidente do Tribunal, Nelson Jobim, foi assistida por familiares de Lula e Alencar, membros já indicados para o futuro governo, como Antonio Palocci, que ocupará a pasta da Fazenda, líderes de partidos que apoiaram a candidatura petista, incluindo o veterano Leonel Brizola, além de sindicalistas e diversas autoridades do governo de Fernando Henrique Cardoso.

Após a execução do Hino Nacional, Jobim deu a tônica da emoção à cerimônia, com um conselho poético ao presidente eleito. “Vá em frente, caminhe rumo ao Sol, que é a luz”, declarou Jobim, antes de entregar os diplomas a Lula e a Alencar.

– Parabéns à Vossa Excelência -, afirmou Jobim.

Em seu discurso de agradecimento, Lula referiu-se a Alencar como “lúcido e leal companheiro” e, brincando com o protocolo, que previa uma fala de apenas cinco minutos, disse que estava acostumado a discursar por pelo menos meia hora.

– Um vasto comparecimento popular às urnas mostrou o apreço pela consciência cívica que hoje existe no nosso país – disse.

No meio de seu discurso, porém, Lula deixou de lado o pequeno texto escrito e passou a falar de improviso. Em meio a lágrimas, Lula então lembrou sua trajetória de operário a presidente da República.

– Se havia alguém no Brasil que duvidasse que o torneiro mecânico saído de uma fábrica chegasse à Presidência, 2002 provou exatamente o contrário -, afirmou.
“Eu, que fui acusado de nunca ter um diploma de curso superior, ganhei meu primeiro diploma, o diploma de presidente da República do meu país”, emocionou-se, sendo longamente aplaudido de pé.

O diploma

Diz o texto do documento:

“República Federativa do Brasil.

Tribunal Superior Eleitoral.

Pela vontade do povo brasileiro, expressa nas urnas em 27 de outubro de 2002, Luiz Inácio Lula da Silva foi eleito Presidente da República. Em testemunho deste fato, a Justiça Eleitoral expede-lhe o presente diploma que o habilita à investura no cargo perante o Congresso Nacional em 1º de janeiro de 2003, nos termos da Constituição Federal.

Brasília, aos 14 de outubro de 2002.

Ano 181 da Independência e 114 da República”.

Após a cerimônia, Lula e Marisa Letícia, assim como José Alencar e a esposa, Mariza, receberam os cumprimentos em um salão anexo. Os filhos e os netos do presidente eleito foram os que mais se prolongaram nos abraços.

Lula e Alencar participam, em seguida, de um almoço em um elegante restaurante de Brasília, na companhia dos ministros do TSE e de cerca de 100 convidados.

O ex-presidente nacional do PT e futuro ministro da Casa Civil, José Dirceu, descreveu a diplomação de Lula como “a realização de um sonho e, para o povo do Brasil, uma grande esperança”.