Lula se diz favorável à criação do Conselho Federal de Jornalismo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 7 de abril de 2004 as 18:39, por: cdb

“Sou favorável à criação do Conselho Federal de Jornalismo porque entendo que isso será bom para o país. Penso assim não só como presidente, mas também como cidadão”. A frase do Presidente Luís Inácio Lula da Silva foi dita durante audiência solicitada pela Federação Nacional dos Jornalistas-FENAJ e pelos Sindicatos da categoria em comemoração ao 7 de abril, Dia Nacional do Jornalista.

O encontro entre o presidente, os ministros Luiz Dulci (Secretaria Geral da Presidência da República), Ricardo Berzoini (Trabalho e Emprego) e Luiz Gushiken (Secretaria de Comunicação do Governo e de Gestão Estratégica), ocorreu na manhã desta quarta-feira, no Palácio do Planalto, e contou com a participação da presidente da FENAJ, Beth Costa, dos representantes de 17 Sindicatos de Jornalistas de todo o país, do Fórum Nacional de Professores de Jornalismo e dos jornalistas que cobrem o Palácio do Planalto, totalizando 60 profissionais.

O presidente Lula argumentou que “a notícia deve ser a mais pura expressão da verdade, e não o que o dono da empresa ou o profissional querem, porque isso contribui para o fortalecimento da nossa democracia”. Daí, no entender de Lula, a importância do CFJ, para cuidar da formação dos profissionais da Imprensa e fortalecer o bom jornalismo. E completou: “Vocês sabem que vão ter muitas dificuldades para aprovar essa Lei e até de onde essas dificuldades virão. Mas”, reforçou o presidente, “a luta de vocês trará benefícios para a sociedade”.

O presidente foi o último a falar no pequeno ato em homenagem aos jornalistas em que se transformou a audiência, depois que o assessor de imprensa Ricardo Kotscho deu a palavra ‘a presidente Beth Costa e, em seguida, aos ministros Berzoini e Gushiken.

Primeira a falar, Beth Costa destacou a importância do Conselho para a defesa do exercício ético da profissão, lembrou que o texto do anteprojeto de Lei que cria o CFJ está desde dezembro de 2002 no Ministério do Trabalho e Emprego e pediu, ao presidente da República, o apoio para que a proposta seja encaminhada pelo Executivo o mais rápido possível ao Congresso Nacional.

O ministro Berzoini, com quem a FENAJ já têm audiência agendada para a próxima segunda-feira, 12, em Brasília, disse que tem acompanhado com especial atenção o pleito dos jornalistas e que “até final de abril, o texto será liberado pelo  seu Ministério”.

Presidente lembra histórico de lutas dos jornalistas

O Presidente Lula demonstrou intimidade com a história de lutas dos jornalistas, relembrando momentos importantes dessa história como quando Audálio Dantas, à frente de um arco de alianças de várias forças, retomou o Sindicato dos Jornalistas de São Paulo das mãos da direita, em 1975. Lembrou de sua participação nas assembléias que decidiram pela greve de 1979, em São Paulo, e de como os donos dos jornais atuaram naquele momento para quebrar a espinha do movimento sindical e dos jornalistas. Lula lembrou, também, do “papel extraordinário que a FENAJ teve diante do movimento sindical” e fez votos que ela volte a assumir essa mesma importância na condução das lutas dos jornalistas e na participação no movimento sindical brasileiro.

Momentos de descontração

Durante a audiência, boa parte dos jornalistas ostentava o cartaz “Sou jornalista por formação”, assim como a camiseta, peças da Campanha Nacional em Defesa da Regulamentação Profissional do Jornalista.

Ainda no início, Beth Costa presenteou Lula com a camiseta, dizendo: “Presidente, não temos boné, mas trouxemos nossa camiseta de presente”. Após o encerramento das falas, houve uma longa sessão de fotos dos jornalistas e seus ministros com o presidente Lula. Demonstrando estar de bom humor, o presidente solicitou ao repórter-fotográfico oficial da Presidência que fizesse umas fotos “dos chinas, Gushiken e Gushiken II”, fazendo uma brincadeira com a semelhança de Renato Yakabe, diretor do Sindicat