Lula recebe prêmio na Espanha

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 24 de outubro de 2003 as 19:35, por: cdb

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu nesta sexta-feira o Prêmio Príncipe de Astúrias, na categoria Cooperação Internacional. Lula não escondeu a emoção com a homenagem, e usou cerca de 15 minutos de seu discurso para defender, mais uma vez, o combate à fome e o fim das desigualdades sociais. Estes foram os motivos, segundo o próprio presidente, de sua escolha para a premiação.

Lula defendeu o diálogo como um instrumento para o fim das diferenças entre pobres e ricos. “O absolutismo econômico e o fanatismo cego ignoraram os valores morais, essenciais à humanidade. Há hoje um perigoso acúmulo de tensão entre a opulência, que não reparte, e a miséria, que não regride”, enfatizou.

O presidente disse que antes de oferecer respostas para os problemas, os homens públicos devem ouvir as perguntas do mundo atual. E questionou as condições de vida de 1 bilhão de seres humanos, que vivem com menos de um dólar por mês, serem idênticas ou piores do que as que existiam há mais de 20 anos. “A diferença entre os 20% mais ricos e os 20% mais pobres equivalia a 30 vezes nos anos 60. Agora, na virada do milênio, saltou para 74 vezes. Estamos falando de um retrocesso, não de um mero descompasso”, disse.

O presidente defendeu que as práticas protecionistas devem ser derrubadas e a exclusão social erradicada. “Miséria e fome não são uma falha técnica. Não serão superadas pela descoberta de um novo engenho, nem pelos mecanismos de mercado”, afirmou.