Lula quer discutir política de assentamentos com líderes dos MST

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 23 de junho de 2003 as 19:16, por: cdb

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva quer se reunir com líderes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) para discutir a política do governo de assentamentos e reforma agrária e evitar a ocorrência de uma nova onda de ocupações de terras no país.

Segundo o Palácio do Planalto, o presidente vai receber representantes do MST na segunda semana de julho. De acordo com assessores da Presidência da República, a questão agrária é prioridade para Lula.

O próprio presidente reiterou em diversos discursos que uma das metas do seu governo é assentar em quatro anos todos os trabalhadores rurais que estão acampados no país.

Em maio deste ano, durante o Grito da Terra, o presidente prometeu a representantes da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) liberar R$ 5,4 bilhões do Programa Nacional de Agricultura Familiar (Pronaf) para financiar a safra agrícola 2003/2004.

Os recursos serão anunciados nesta terça-feira, durante cerimônia do lançamento do Plano de Safra no Palácio do Planalto, e estarão disponíveis a partir de 1º de julho para pequenos agricultores.

Segundo cálculos do governo, o volume de recursos vai aumentar em 40% o número de trabalhadores rurais beneficiados pelo Pronaf e permitir o custeio de 1,4 milhão de famílias no campo.

O presidente também quer evitar que as ocupações registradas no último fim de semana se espalhem pelo país. Só neste domingo, 18 fazendas no estado de Pernambuco foram invadidas por trabalhadores rurais filiados à Federação dos Trabalhadores em Agricultura de Pernambuco (Fetape), que reivindicam vistorias em áreas consideradas improdutivas.

Na manhã desta segunda, o secretário de Imprensa da Presidência da República, Ricardo Kotscho, afirmou que os ministros José Dirceu (Casa Civil) e Luiz Dulci (Secretaria Geral da Presidência) vêm mantendo diálogo constante com as entidades de trabalhadores rurais e do MST para ouvir as principais reivindicações dos agricultores.