Lula quer ampliar relações comerciais, diz Amorim

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 5 de janeiro de 2006 as 15:06, por: cdb

Ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim afirmou nesta quinta-feira que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva quer intensificar e diversificar as parcerias internacionais neste ano. No final do expediente desta quarta-feira, Lula participou de audiência com cerca de 60 embaixadores e chefes de missões diplomáticas brasileiras e destacou que o resultado da balança comercial brasileira de 2005 espelha os esforços da política externa brasileira.

– As viagens do presidente, ao contrário do que muita gente diz, trouxeram muitos dólares e euros para o Brasil, basta ver o que temos vendido para os países árabes e para a África, responsável por 10% do superávit brasileiro, excluindo-se as nossas compras de petróleo. A América Latina está se tornando o principal parceiro comercial brasileiro – afirmou o chanceler.

As exportações brasileiras atingiram nível recorde em 2005, totalizando 118.309 bilhões. Segundo dados divulgados nesta semana pela Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Indústria, Desenvolvimento e Comércio Exterior, houve crescimento de vendas de produtos brasileiros para todas as regiões econômicas. O destaque ficou por conta de regiões não-tradicionais, como Europa Oriental (alta de 55,8%), África (crescimento de 41,4%), Aladi (mais 27,5%, excluindo o Mercosul) e Ásia (aumento de 16,7%).

Apenas no mês de dezembro as exportações para a Croácia, por exemplo, cresceram 291,21%; para a Etiópia, 270,37%; para Bangladesh, 256,04% e para Gana, 212,69% –todos mercados não-tradicionais e com pequena participação na pauta brasileira.

– Os dados do comércio não são uma coisa gratuita. Claro que tem muito a ver com o que os empresários têm feito e com medidas específicas da área econômica, mas tem muita a ver também com áreas que foram priorizadas pela política externa – afirmou o ministro a jornalistas.

Amorim destacou que a diversificação de parcerias não ocorreu em prejuízo de parcerias tradicionais, como aquelas com Estados Unidos e União Européia:

– As nossas exportações para os Estados Unidos e a União Européia estão em nível recorde.