Lula pede que Espanha continue investindo no Brasil

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 24 de janeiro de 2005 as 16:02, por: cdb

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou hoje, ao receber o primeiro-ministro da Espanha, José Luis Rodríguez Zapatero, que o atual momento vivido pela economia brasileira deverá servir para cimentar as parcerias entre os setores produtivos de ambos os países. Lula disse que 2005 será o ano internacional do microcrédito e lançou um desafio aos empresários e grupos financeiros da Espanha, país que é atualmente o segundo maior investidor estrangeiro no Brasil (US$ 26 bilhões, de acordo com o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio
Exterior, atrás apenas dos Estados Unidos).

– Convido os homens de negócios de ambos os países a apostarem no nosso futuro investindo em projetos de infra-estrutura física que integrarão as vastas potencialidades do continente sul-americano – disse o presidente brasileiro.

Para Lula, a Espanha representada pelo primeiro-ministro José Luís Zapatero é exemplo e inspiração para o Brasil, por ser um país orgulhoso de seu passado e seguro de sua capacidade de responder aos desafios do futuro.

– O Brasil vive uma chance histórica de deixar de ser eternamente um país de futuro. Para isso, nós, brasileiros, não podemos permitir que as profundas injustiças do nosso passado e as persistentes desigualdades do presente determinem nosso modelo de desenvolvimento. Essa é a lição da Espanha de José Luíz Zapatero – afirmou Lula.

Ele aceitou convite para visitar a Espanha no próximo mês de outubro.

O presidente brasileiro ressaltou que a Espanha é um país que demonstra disposição para oferecer importante parcela de cooperação ao mundo em desenvolvimento e que tem cumprido de maneira exemplar as Metas do Milênio, conjunto de iniciativas da Organização das Nações Unidas (ONU) para o desenvolvimento.

Lula disse que Brasil e Espanha estão unidos na iniciativa global de combater a fome e a pobreza.

– Essa comunhão de valores fez da Espanha uma aliada de primeira hora na busca de mecanismos financeiros inovadores para resgatar parcela significativa da humanidade hoje mergulhada na miséria e na desesperança.

O presidente afirmou que Brasil, Espanha, Chile e França são países que levarão propostas realistas para “emancipar os esquecidos do mundo” à Assembléia Geral da ONU.

Antes do discurso, os presidentes assinaram acordos de cooperação na área do turismo, de segurança fitossanitária, na área de educação e meio-ambiente. Lula e Zapatero também assinaram a Declaração de Brasília, documento que visa colocar em prática os objetivos e planos estratégicos firmados pelos países em outubro de 2003, na Bolívia.