Lula pede ajuda aos universitários para melhorar programa ProUni

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 13 de janeiro de 2005 as 17:38, por: cdb

Em 2005, pelo menos 95 mil estudantes de baixa renda terão a chance de ingressar na universidade. Até agora, esse é o número de selecionados na primeira e segunda fase do Programa Universidade para Todos (ProUni). O projeto de lei foi sancionado nesta quinta-feira (13) pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no Palácio do Planalto. O programa, que já está na sua terceira fase, oferece para este ano um total de 112,4 mil bolsas de estudo em instituições de ensino superior privadas e filantrópicas.

“A gente gritava ensino público e gratuito pra todo mundo na frente de um monte de jovens que estavam pagando a mensalidade e a gente não falava em nome deles”, afirmou Lula. “O ProUni é um extraordinário começo. Eu acho que nos vamos avançar a cada ano. Na medida que a gente vá provando o acerto da decisão, a gente vai ter muito mais vagas. (…) O Brasil não dará o passo seguinte se não resolver o problema da juventude.”

Ao discursar para uma platéia formada por estudantes do Movimento dos Sem Universidade (MSU) e do Educafro, Lula pediu que os novos universitários revelem as dificuldades encontradas e ajudem a aperfeiçoar o sistema para que mais alunos das regiões mais pobres do país tenham acesso ao ensino superior.

“Fico imaginado vocês, se não tivessem oportunidade depois de terminar o colegial, não tendo profissão nem emprego, qual seria o futuro. Possivelmente o desespero, que pudesse levá-los a fazer coisas que não são recomendáveis”, acredita o presidente. “Quando alguém criticar vocês por causa do ProUni lembrem que as pessoas que estão criticando, antes, não falavam nada, eram silenciosas. Na hora que o pobre conquista um milímetro de espaço ele incomoda. Mesmo que você não tenha tirado um milímetro de espaço dos ricos.”

Ao discursar, Lula elogiou o ministro da Educação Tarso, bem como sua equipe, pela “força extraordinária” que possibilitou que o projeto ficasse pronto e logo fosse enviado para o Congresso Nacional. O presidente também brincou ao afirmar que pela primeira vez o país tem um presidente e um vice-presidente sem diploma universitários pelas mesmas razões que muitos não tiveram antes da criação do ProUni. De acordo com ele, o projeto só foi feito agora porque a população adquiriu mais consciência, aprendeu a reivindicar e a cobrar mais: “Quem sabe quando deixar o mandato eu e o José Alencar seremos bolsistas.”

Para se inscrever no ProUni, o aluno precisa ter feito uma das edições do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e obtido nota mínima de 45 pontos. Também deve ter cursado o ensino médio em escola pública ou como bolsista integral de escola particular. Se for candidato à bolsa integral, a renda per capita familiar deve ser de até um salário mínimo e meio (R$ 390). Para bolsa parcial, o valor deve ser de até três salários mínimos (R$780).