Lula levará a Davos mesma mensagem de Porto Alegre

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 27 de janeiro de 2005 as 16:04, por: cdb

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quinta-feira, em discurso no 5.º Fórum Social Mundial (FSM), que levará a Davos, na Suíça, onde participará do Fórum Econômico Mundial, e ao encontro do G-8 (grupo dos sete países mais ricos do mundo e a Rússia) a mesma mensagem trazida a Porto Alegre para pregar o livre comércio entre os países e o fim dos subsídios agrícolas e comerciais aplicados pelas nações desenvolvidas.

– Podem dizer que o presidente Chirac (Jacques Chirac, da França) é contra, o Schroeder (Gerhard Schroeder, primeiro-ministro da Alemanha), o Tony Blair (primeiro-ministro da Inglaterra) e o Bush (George W. Bush, presidente dos Estados Unidos) são contra (contra o fim dos subsídios e o livre comércio). Se eles fossem a favor, as coisas já estariam resolvidas – afirmou.

– É pelo fato de serem contra que nós temos de fazer política e é por isso que temos de convencê-los e conversar. Vou a Davos hoje e vou dizer o que eu estou dizendo aqui – afirmou.

Lula lembrou que, embora desacreditada por alguns setores, a política internacional brasileira foi bem-sucedida em pleitos da Organização Mundial do Comércio (OMC) contra contribuições pecuniárias agrícolas para a produção de algodão e açúcar.

– A decisão do algodão favorece mais aos países africanos do que ao Brasil – afirmou, referindo-se à importância da vitória comercial brasileira.

Ele insistiu ainda ser correta a atuação brasileira no G-20 (grupo de países em desenvolvimento) e que, neste momento, a prioridade brasileira é para o estabelecimento de “unidades de um acordo comercial entre União Européia (UE) e Mercosul (Mercado Comum do Sul)”.

– Fui convidado pelo G-8 e estarei lá para dizer o que digo aqui porque seria muito mais fácil eu reunir meia dúzia de amigos, comprar meia dúzia de refrigerantes e ficar em torno de uma mesa apenas falando o que os meus amigos gostariam de ouvir – disse.