Lula é o presidente do Brasil

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 27 de outubro de 2002 as 21:23, por: cdb

Após 22 anos de existência do partido, três derrotas e oito anos de oposição quase sistemática a Fernando Henrique Cardoso (com críticas ao modelo econômico e ao legado na área social), o ex-torneiro mecânico Luiz Inácio Lula da Silva (PT), 57, chega à Presidência da República.

Lula venceu o economista José Serra, 60, candidato oficial, duas vezes ministro de FHC e uma das principais lideranças do PSDB.

O petista chega ao cargo mais conservador, com inflexão ao centro e sem assustar a direita do país [com quem até se associou para atingir a vitória]. O petista, eleito no dia do seu aniversário, assume o poder se dizendo disposto a firmar um pacto social com todos os setores da sociedade para resolver a crise pela qual o país atravessa.

Sinal da aproximação e do bom trânsito do PT com setores conservadores foi a escolha do empresário José Alencar Gomes da Silva, 71, como vice na chapa. Político mineiro do PL, o senador será um dos interlocutores do novo governo com setores empresariais e conservadores do “establishment”.

Lula é o primeiro líder de um partido de esquerda eleito presidente e, no cargo, o primeiro operário, o primeiro civil sem diploma universitário e o primeiro natural de Pernambuco a exercê-lo como titular.

Em três meses de campanha, Lula visitou 93 cidades, fez 103 comícios, 63 carreatas, permaneceu um total de 147 horas dentro de aviões e percorreu 61.127 km pelo país.

Foi a mais rica campanha presidencial da história do partido. O custo final deve ultrapassar os R$ 35 milhões. O partido pediu autorização ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) para gastar até R$ 48 milhões. A infra-estrutura petista contou inclusive com carro blindado, guarda-costas e jatinho.

Parte do dinheiro gasto foi destinado ao pagamento do marqueteiro Duda Mendonça. Também foram contratadas estrelas do jornalismo, como Ricardo Kotscho, assessor de Lula, o cientista político André Singer, que atuou como porta-voz, bem como o cineasta Paulo Caldas e outras 200 pessoas para a campanha.

Integrantes do PT [como o presidente do partido, José Dirceu, o prefeito de Ribeirão Preto (SP), Antônio Palocci, e o deputado federal e recém-eleito senador Aloizio Mercadante (SP)] também tiveram papel fundamental na eleição de Lula.

A vitória representa mudança do diálogo com setores antes refratários e combatidos pelo PT. Desde 1989, quando perdeu sua primeira eleição presidencial para Fernando Collor de Mello, o discurso, as propostas e, talvez, principalmente, a imagem do candidato e do partido vêm se tornando menos radical e mais próxima de setores mais ao centro.

Em um comício em Rio Branco, no dia 22 de agosto, o candidato do PT que acompanhava ao largo os violentos embates entre seus adversários, disse: “Lulinha não quer briga. Lulinha quer paz e amor”.

Estava criado o mote de sua campanha à vitória. Estava sintetizado o discurso político da conciliação, do entendimento e da negociação.

A guinada ao centro rendeu adesões à candidatura dos ex-presidentes José Sarney (PMDB-AP) e Itamar Franco (sem partido), do ex-governador Orestes Quércia (PMDB), dos empresários Eugênio Staub (Gradiente) e Josmar Avelino (ex-presidente da Klabin) e a declaração do ex-ministro do regime militar Delfim Netto (PPB-SP) de que o PT faria um governo social-democrata “de verdade”.