Lula diz que “voltará às origens” depois da presidência

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 24 de janeiro de 2005 as 11:00, por: cdb

Assim que deixar a Presidência da República, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que vai voltar às suas “raízes”, não só por retornar a São Bernardo do Campo (SP), onde toda sua vida profissional e política começou, como também intensificando sua convivência com os movimentos sociais. A afirmação foi feita pelo próprio Lula, no programa de rádio quinzenal Café com o Presidente.

A mesma declaração foi feita na última sexta-feira, durante viagem ao município baiano de Eunápolis, onde visitou um acampamento do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

– Eu tenho nítido na minha cabeça que eu, quando terminar o meu mandato, vou voltar para São Bernardo. Vou ficar a 600 metros do Sindicato dos Metalúrgicos, onde tudo começou na minha vida. Vou ter convivência com os sem-terra, vou ter convivência com os movimentos sociais que são a base da minha formação política, que são a minha origem – disse.

No programa, Lula diz ainda que “embora esteja presidente” mantém a mesma visão sobre “o mundo real” que tinha antes de assumir o cargo.

– Quando eu chego a um acampamento dos sem-terra, que eu vejo centenas de pessoas pobres, que estão há dois anos debaixo de um barraco de lona preta, e essas pessoas continuam com o mesmo discurso de esperança que tinham há dez anos atrás, sou obrigado a reconhecer que o presidente da República precisa receber todo mundo e governar para todo – disse.

Quando se fala em reforma agrária, destacou o presidente, é preciso lembrar que milhares de proprietários de terra precisam de assistência técnica, financiamentos para custeio da produção e garantias de preços.

– É isso que nós estamos fazendo com uma intensidade muito grande – completou Lula.

No Café com o Presidente, Lula deixou claro que, nem sempre, as coisas acontecem no ritmo desejado.

– Eu acho que as pessoas têm a compreensão de que o processo político é um processo lento, as mudanças não são com a rapidez que a gente deseja – afirmou. Neste sentido, acrescentou que o fundamental é ter a convicção de que as coisas estão acontecendo.