Lula diz que Brasil crescerá em 2005 e parte para Suiça

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 27 de janeiro de 2005 as 14:33, por: cdb

O governo federal preparou as bases para o crescimento sustentável do País, por isso, o crescimento de 2005 será maior do que o do ano passado. A afirmação foi feita pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ao discursar no Fórum Social Mundial. De forma irônica, Lula comentou que “para a desgraça de muitos, que torcem contra”, sua administração gerou 2 milhões de empregos formais nos dois primeiros anos, além de ter batido recordes de exportações, no ano passado, de US$ 96 bilhões, e superávit comercial superior a US$ 36 bilhões.

– Em 1º de janeiro de 2003 tínhamos um déficit de transações correntes de US$ 32 bilhões e hoje temos um superávit de US$ 10 bilhões. Pegamos o País com risco Brasil em 2.400 pontos e hoje está em 400 pontos – discursou, ao lembrar, em seguida, que apenas no setor automotivo, 27 mil empregos foram gerados, dos quais 11 mil na região do ABC.

– Este ano o País vai crescer mais porque nós lançamos as bases e nós vamos fazer as ferrovias, as hidrovias, as estradas que faltam e gerar a energia. Certamente, vamos gerar mais empregos, fortalecer a massa salarial e distribuir renda – assegurou.

Ele ressalvou, entretanto, ser uma pessoa que acredita que “tudo precisa de uma preparação”.

– Sou daqueles que preferem uma passo menor a cada dia e não parar nunca a minha caminhada do que dar um passo grande, sofrer uma distensão e ficar três meses na geladeira sem poder caminhar.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva deixou Ginásio Gigantinho, onde participou do lançamento da Chamada Global para Ação Contra a Pobreza, no Fórum Social Mundial. Depois de discursar Lula respondeu a algumas perguntas dos organizadores da campanha. Lula seguiu para o hotel Plaza São Rafael, onde almoça, se reúne com ministros e às 15h30 embarca para o Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça.

No encerramento do evento se apresentou a escola de samba Portela, que executou seu samba-enredo, no qual aborda as metas da ONU para o milênio. O presidente citou o crescimento da dívida interna antes do início de sua administração. Ele afirmou que a relação da dívida interna com o Produto Interno Bruto (PIB) não havia ultrapassado 28% até 1994, mas, no período posterior a este ano e até 2002, subiu para 58%.

Lula mencionou que essa relação estava em 47% de dívida interna dolarizada quando seu governo começou. Segundo ele, o primeiro passo, depois de assumir, foi começar a comprar a dívida em dólar.