Lula combina visita de Bush ao Brasil no ano que vem

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 10 de dezembro de 2002 as 19:40, por: cdb

Porta-voz do presidente eleito do Brasil, André Singer disse nesta terça-feira que o encontro de cúpula de Governo entre Brasil e Estados Unidos, proposta pela manhã ao presidente norte-americano George W. Bush em encontro com o presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva, no Salão Oval da Casa Branca, será realizada durante a primavera dos Estados Unidos em 2003, que acontece de março a maio.

Bush disse a Lula que, embora não goste muito de viajar, para esta ocasião ele acha importante haver o encontro. O presidente eleito convidou Bush para visitar o Brasil em 2003 e mencionou que a reunião de Cúpula poderá ser realizada no Brasil. Lula convidou Bush para visitar Brasília e o Pantanal.

Bush, por sua vez, brincou e disse que poderia surfar em alguma praia brasileira. Na sequência, de acordo com relato de Singer, em tom mais sério Bush se disse empenhado para a realização do encontro e se mostrou decidido a tomar medidas práticas, como o estabelecimento de uma estrutura de como deverá ser realizada a reunião.

Segundo Singer, Bush disse que a reunião poderá ser realizada com a participação das equipes dos dois governos e também dos dois presidentes. “Esse pode até ser um encontro de um dia apenas, mas será importante para estabelecer uma agenda em comum”, afirmou Singer.

Singer disse que a primeira parte do encontro entre Bush e Lula, que estava previsto para durar 30 minutos mas se ampliou para quase uma hora, ocorreu com Bush reafirmando sua disposição de trabalhar junto com o governo brasileiro. Depois, Lula explicou o significado da vitória do PT e contou um pouco da história da sua vida, lembrando que saiu de uma região pobre como o Nordeste e que se ao final do seu governo, cada brasileiro puder fazer três refeições ao dia, estaria cumprida sua missão de vida. Bush respondeu que se Lula atingir esse objetivo, terá sido um grande líder, segundo Singer.

Singer afirmou que houve uma empatia entre os dois, “em grande parte porque os dois falam com o coração, sentimento e franqueza”. Lula disse a Bush que o Brasil será inflexível na defesa dos interesses do Brasil nas negociações, mas que aquilo que for acordado será cumprido pelos brasileiros. Singer disse ainda que Bush chegou a falar algumas palavras em espanhol.

Antes de encerrar a reunião, Lula mencionou as linhas de crédito ao Brasil e disse a Bush que as empresas brasileiras estão sofrendo cortes de linhas de forma significativa como nunca se viu antes. Lula pediu o apoio de Bush para a retomada de tais linhas, embora tenha observado que isso não seja responsabilidade direta do governo norte-americano. O presidente Bush prometeu se empenhar no assunto. Segundo Singer, o ambiente do encontro foi cordial, amistoso e descontraído.