Luís Fabiano marca 5 gols na goleada sobre o São Raimundo por 6 a 0

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 12 de março de 2003 as 22:34, por: cdb

Em show particular do atacante Luís Fabiano, que marcou cinco gols, o São Paulo goleou o São Raimundo por 6 x 0, nesta quarta-feira, no estádio do Morumbi, e conseguiu avançar à segunda fase da Copa do Brasil.

O Tricolor Paulista conseguiu reverter uma vantagem de dois gols obtida pelo time amazonense na primeira partida, em Manaus.

A classificação também tranqüilizou, por enquanto, a situação do técnico Oswaldo de Oliveira. Pela primeira vez nesta temporada, o comandante são-paulino não foi vaiado pelos torcedores. Além disso, ele ganha mais tempo diante de alguns dirigentes descontentes.

Agora, na segunda fase, o São Paulo irá enfrentar o Gama, que eliminou o Bangu. O lateral-esquerdo Fabiano, que fez sua primeira partida como titular – Gustavo Nery atuou como zagueiro -, completou o placar para o Tricolor Paulista.

A partida começou como os torcedores do São Paulo sonhavam. Antes do primeiro minuto, o Tricolor Paulista, que precisava reverter uma vantagem de dois gols do São Raimundo, já vencia por 1 x 0.

Após lançamento na área, o goleiro Iuna trombou com o zagueiro Ademir, que foi empurrado por Luís Fabiano, e a bola sobrou para o são-paulino. O atacante dominou e só tocou para o gol.

O time comandando pelo técnico Oswaldo de Oliveira era só pressão e desperdiçava muitas chances. Assustado o time amazonense não conseguia sequer se defender. Os jogadores demonstravam muito nervosismo e só paravam os são-paulinos nas faltas.

Aos 18min, o Tricolor Paulista finalmente marcou o segundo gol. Luis Fabiano, que já havia marcado o primeiro gol, arriscou chute da entrada da área. A bola desviou no zagueiro Peta, tirou o goleiro Iuna no lance e ainda bateu na trave antes de entrar.

Três minutos depois, o São Paulo quase ampliou o placar. Após cobrança de escanteio, Jean cabeceou e Reinaldo, de voleio, marcou aquele que seria seu primeiro gol na temporada. No entanto, o bandeirinha, de forma equivocada, anotou impedimento do atacante.

A partida continuava favorável ao time paulista, porém o São Raimundo foi se acalmando e já conseguia marcar com mais facilidade as investidas tricolores. Os são-paulinos procuravam tocar mais a bola para tentar encontrar os espaços citados pelo meia Ricardinho antes da partida.

E foi justamente o camisa dez são-paulino que armou o lance do terceiro gol. Aos 38min, Ricardinho deu passe perfeito para Luís Fabiano. O atacante driblou o goleiro Iuna e chutou colocado para marcar também seu terceiro gol na noite.

No retorno para o segundo tempo, o São Paulo voltou modificado. O técnico Oswaldo de Oliveira tirou o meia Kaká, que voltou a sentir dores musculares, e colocou Júlio Baptista. “Ele estava com algumas queixas e poderia ser temeroso continuar”, afirmou o médico do clube, José Sanchez.

A substituição e o resultado favorável fizeram o Tricolor Paulista se acomodar. Percebendo essa situação, o técnico Aderbal Lana resolveu partir para o tudo ou nada. Ele tirou Zedivan e Guára e colocou Sydney e Carlos Alberto, o que deixou time mais ofensivo.

Apesar da apatia demonstrada em campo, o São Paulo conseguiu marcar o quatro gol e, novamente, através de Luís Fabiano. Aos 21min, Reinaldo fez boa jogada individual e tocou para Fabiano na esquerda. O lateral cruzou rasteiro e o camisa nove são-paulino chutou forte sem chances para Iuna.

O Tricolor Paulista era impiedoso e não poupava o São Raimundo. Aos 30min, a equipe ampliou o placar. Em contra-ataque rápido, Luís Fabiano lançou Fabiano livre de marcação. O lateral-esquerdo tocou na saída de Iuna para fazer seu primeiro gol pelo clube.

Estava fácil e Luís Fabiano estava em noite, realmente, inspirada. Aos 37min, Reinaldo fez outra boa jogada individual e deixou o camisa nove são-paulino na cara do gol. O artilheiro chutou no canto esquerdo de Iuna para fechar o placar.

SÃO PAULO 6 x 0 SÃO RAIMUNDO

São Paulo
Rogério Ceni; Gabriel (Daniel Rossi), Jean, Gustavo Nery e Fabiano; Maldonado, Fábio Simplício, R