Líder islâmico é morto pelo Exército de Israel em Gaza

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 8 de março de 2003 as 09:59, por: cdb

O Exército israelense confirmou que matou, na manhã deste sábado, um líder do Movimento de Resistência Islâmica (Hamas), Ibrahim Al Makadma, dentro de sua política de assassinatos contra líderes da Intifada de Al Aqsa.

Fontes militares disseram que um helicóptero “Apache” disparou vários mísseis contra o carro no qual viajava Ibrahim Al Makadma e três de seus guarda-costas, no bairro de Sheij Raduan de Gaza.

Em conseqüência das potentes explosões, os quatro morreram e o veículo no qual viajavam ficou completamente destruído.

O Exército israelense considera Al Makadma o chefe do braço armado do Hamas, as Brigadas Azedin Al Qasam, apesar de entre os próprios palestinos sua função na ala militar da organização não estar clara.

Do que não há dúvida é que Al Makadma, de 49 anos e professor universitário, era um importante líder político no Hamas, e os serviços secretos israelenses o consideravam o “número 2” do ancião líder espiritual, Ahmed Yasin, e mentor da política militar das Brigadas.

Fontes militares disseram que Al Makadma foi quem em 1984 colocou na organização Salah Shahade, assassinado por Israel em 23 de julho passado em um polêmico e sangrento bombardeio aéreo em Gaza.

Segundo estas fontes, Al Makadma tomou o controle das brigadas do Hamas alguns meses depois da morte de Shahade e depois de outro líder, Mohamed Def, ter ficado ferido em outra tentativa de assassinato por Israel.

Entre 1996 e 2000, este professor universitário e médico passou vários anos em uma prisão palestina após incentivar os atentados suicidas contra Israel em pleno processo de paz de Oslo e repudiar a autoridade da Autoridade Nacional Palestina (ANP) e de Yasser Arafat.

Al Makadma foi libertado pela ANP ao começar a segunda Intifada, em setembro de 2000, quando Israel começou os bombardeios de instalações da segurança palestina em Gaza, e ante o temor de que os presos morressem em conseqüência desses ataques.