Líder do PMDB nega fisiologismo e defende indicação para cargos no governo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 28 de março de 2012 as 16:25, por: cdb

O líder do PMDB, deputado Henrique Eduardo Alves (RN), negou acusações de fisiologismo na atuação do partido e disse que a defesa das emendas orçamentárias e de participação no governo por indicação de cargos é legítima e não deve ser tratada de maneira pejorativa. “Essa carapuça [do fisiologismo] eu não assumo e não aceito”, disse.

Segundo ele, a busca pela indicação de cargos significa apenas que o partido quer participar de um governo que ajudou a eleger, enquanto as emendas orçamentárias fazem parte do trabalho parlamentar. “É melhor que uma pessoa escolha ou um conjunto de dois ou três partidos que foram buscar a vitória?”, questionou.

O deputado também disse ser alvo de ataques pessoais e vítima de intrigas pela sua condição de possível sucessor de Marco Maia na Presidência da Câmara. “Se convenço a oposição, é porque quero angariar votos para uma candidatura. Se voto com o governo, o mesmo ocorre.”

Para o líder do Psol, deputado Chico Alencar (RJ), a fala do peemedebista “expressa profunda crise na base do governo”.

Reportagem – Carol Siqueira
Edição – Pierre Triboli