Líder do MST é assassinado em PE

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 27 de março de 2012 as 10:40, por: cdb

Por Altamiro BorgesEnquanto a reforma agrária segue empacada no governo Dilma Rousseff, cresce a violência no campo. Nos últimos dias, três dirigentes do Movimento de Libertação dos Sem Terra (MLST) foram mortos na região do Triângulo Mineiro e um líder do MST foi assassinado no Agreste de Pernambuco. Numa pequena nota, a Folha registrou o último caso:Dois tiros numa emboscada“O líder do MST Antônio Tiningo foi assassinado com dois tiros no município de Jataúba (223 km de Recife). A Polícia Civil disse que ele foi morto em uma emboscada, na última sexta-feira, numa estrada que liga dois assentamentos. Ainda de acordo com a polícia, dois homens alvejaram o sem-terra. O MST afirmou que um empresário conhecido como Brecha Maia é o mandante do crime”.Tiningo era um dos coordenadores do acampamento da fazenda Ramada, ocupada há mais de três anos. No final de 2011, apesar de ocupada pelos sem terra, a fazenda foi comprada pelo empresário do ramo de confecção e especulação imobiliária Brecha Maia. “Logo que comprou a área, o fazendeiro – que possui outras fazendas na região – expulsou ilegalmente as famílias, sem nenhuma ordem judicial ou presença policial”, relata uma nota oficial do MST.Violência e impunidade do latifúndioAs famílias reocuparam a área em fevereiro passado e, desde então, o fazendeiro ameaça retirá-las à força, “intimidando pessoalmente algumas lideranças da região, dentre elas, Antonio Tiningo. Na semana passada, Brecha Maia havia declarado que faria o despejo das famílias por bem ou por mal, e que não passaria de sexta-feira, dia em que Tiningo foi assassinado”.A nota do MST destaca que “o assassinato de Antonio Tiningo é mais uma consequência da omissão do Estado em relação à violência e impunidade do latifúndio na região do agreste de Pernambuco. Por ser uma região em que os poderes públicos locais possuem uma relação estreita com os proprietários de terra, o MST está exigindo que seja indicado um delegado especial para apurar o caso”.*****Leia também:– A lentidão da reforma agrária– Governo abandona a reforma agrária– Alckmin quer regularizar a grilagem