Líder do governo, Eduardo Braga anuncia que não disputará prefeitura de Manaus

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 27 de junho de 2012 as 14:48, por: cdb

Em pronunciamento nesta quarta-feira (27), o senador Eduardo Braga (PMDB-AM) anunciou sua decisão de não concorrer à prefeitura de Manaus. O líder do governo no Senado salientou que, “mesmo dividido e emocionado”, tem um compromisso estabelecido com a presidente Dilma Rousseff e o povo que o elegeu para o Senado.

– De comum acordo com a presidente Dilma, decidimos pela permanência na liderança do governo, embora acompanhando muito de perto o desenvolvimento das lides políticas e eleitorais em Manaus – declarou.

Eduardo Braga, que foi prefeito de Manaus e governador do Amazonas, considera que teria grande satisfação em voltar a governar a capital amazonense – em sua avaliação, “administrações incapazes” degradaram a situação de Manaus. Ele destacou, porém, a importância de seu trabalho como líder do governo no Senado: desde que assumiu o posto, há menos de quatro meses, a Casa aprovou matérias importantes, como o fim da chamada “guerra dos portos”, a aposentadoria integral por invalidez e o regime da previdência complementar.

– Desejo reiterar minha disposição de continuar trabalhando com a confiança da presidente e a compreensão e a ajuda dos meus pares, sem cor partidária, em defesa dos interesses maiores do país, com os ouvidos, os olhos e o coração voltados para Manaus e para o Amazonas.

O senador elogiou a forma como a presidente Dilma Rousseff tem prestigiado o Amazonas, e disse que a parceria com o governo federal é “fundamental e indispensável” para a implementação de projetos que ajudaram a preparar Manaus e o Amazonas para o futuro.

Apartes

Eduardo Braga foi cumprimentado pelo senador Pedro Taques (PDT-MT), que afirmou que este é o “Dia do Fico” da liderança do governo. Por sua vez, a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) elogiou a “visão” de Braga, a senadora Ana Amélia (PP-RS) exaltou a importância política da decisão, e o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) classificou a atuação de Braga no Senado como “insubstituível”. Também saudaram a decisão de Eduardo Braga os senadores Waldemir Moka (PMDB-MS), Vital do Rêgo (PMDB-PB), Gim Argello (PTB-DF) e Walter Pinheiro (PT-BA).