Lessa entra no PDT e defende aproximação com Lula

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 11 de fevereiro de 2005 as 11:20, por: cdb

O governador de Alagoas, Ronaldo Lessa, assinou em Brasília sua ficha de filiação ao PDT. Com o secretário-executivo de Educação, Maurício Quintella, e com o deputado federal Jurandir Bóia, que também passaram a ser pedetistas. Lessa defendeu o consenso em torno do governo do presidente Lula.

Todos chegaram para o evento acompanhados do presidente do PDT alagoano, Geraldo Sampaio. Mesmo com a postura de independência política do PDT em relação ao governo federal, Lessa disse que não vê problemas em defender Lula.

– Eu disse a todos que o governo Lula ainda não se esgotou e lembrei que o próprio PDT o apoiou recentemente. Por isso acredito que há um espaço para convivermos com o governo – disse o governador.

Lessa disse acreditar que o fato de ocupar um cargo majoritário, e não o de parlamentar, facilita sua relação com os novos companheiros de partido. Essa posição também foi defendida pelo presidente do Diretório Nacional do PDT, Carlos Lupi.

– Nós continuaremos independentes do governo. Quanto ao governador, ele deixou claro que precisa manter uma boa relação com o governo por razões administrativas – afirmou Lupi.

A polêmica em torno da ida de Lessa para o PDT deve-se ao rompimento dos brizolistas com o governo Lula em seu primeiro ano de governo. O próprio governador lembrou que os pedetistas não estão fazendo oposição sistemática no Congresso Nacional.

– Os deputados estão votando de acordo com suas convicções.

Ao citar a eleição para a presidência da Câmara dos Deputados, Lessa defendeu a candidatura governista do deputado federal Luiz Eduardo Greenhalgh, do PT, que também compareceu ao ato de filiação e pediu apoio para a sua eleição no próximo dia 15. Candidato a presidente do Senado, o alagoano Renan Calheiros (PMDB), também marcou presença.

Em discurso no ato de filiação, Renan fez elogios a Lessa. Depois da filiação, o presidente do PDT se reuniu com a bancada federal do partido e definiu o apoio a Greenhalgh para a eleição da Mesa Diretora da Câmara.

Se, por um lado, a filiação se transformou num ato político, ela não conseguiu ser unanimidade. O ex-líder do PDT no Senado, senador Jefferson Péres (AM), não compareceu. Desconfiado sobre os interesses que cercaram a entrada de Lessa em seu partido disse que “se tivesse convicção da independência do governador Lessa em relação ao governo federal, poderia ter comparecido”.

Ainda segundo o senador, o presidente do partido, Carlos Lupi, deveria aceitar o ingresso de Lessa baseado em condições.

– E se tivermos candidatura própria em 2006, qual será a posição do governador? – indagou o senador amazonense.