Lema de FHC hoje é ‘exportar para viver’

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 3 de setembro de 2001 as 15:57, por: cdb

O programa de Apoio a Pequenas e Microempresas que o ministro Pedro Parente anunciou, nesta segunda-feira, prevê a implantação de projetos auto-sustentáveis, a partir de fontes alternativas de energia (Eólica, Solar, Biomassa e Pequenas Centrais Hidrelétricas). O anúncio foi feito logo após o presidente Fernando Henrique Cardoso mostrar-se entusiasmado com a capacidade de produção de energia elétrica a partir dos ventos, no Ceará.

As fontes para financiar a realização do programa serão centradas na eficiência energética e nas soluções energéticas. Participam da coletiva, os ministros Aluísio Nunes Ferreira (Secretaria Geral), Ronaldo Sardenberg (Ciência e Tecnolgia) e Sérgio Amaral (Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior).

Exportar para viver

O presidente não escondeu seu entusiasmo com o projeto de geração de energia pelos ventos. Segundo ele, o potencial de geração de energia no Brasil hoje, em todas as modalidades, é de 75 mil megawatts. Mas somente a energia eólica no país tem uma capacidade de produzir 150 mil megawatts.

– Se em dez anos tivermos uma décima parte disso, será excelente, porque é uma energia limpa. Os ventos daqui são bem produzidos por Deus. O que temos no Brasil hoje são só pequenas sementes e o que foi visto aqui já é uma muda.

Em seu discurso, Fernando Henrique tentou refazer o lema “exportar ou morrer” e parafraseou um secretário do governo Tasso Jereissati, dita durante o jantar de ontem:

– Isso aqui é uma forma de exportar para viver. Não vamos morrer.

Bem humorado, Fernando Henrique lembrou ter sido muito criticado quando falou a frase “exportar ou morrer”.

Fernando Henrique foi ao Porto de Pecém visitar as obras que estão sendo feitas e conhecer o projeto de instalação da Fábrica Wobben de Turbinas Eólicas no Complexo Industrial Porto de Pecém. O governador Tasso Jereissati lançou a idéia de batizar o complexo de governador Mário Covas. Fernando Henrique lembrou que vem crescendo muito o transporte de cargas e de conteineres no país.