Lei Falcão pode ser restabelecida

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 20 de abril de 2006 as 10:11, por: cdb

De volta aos tempos da ditadura?

Uma interpetação espúria quer estender a proibição de cenas externas nos programas eleitorais gratuitos a imagens de arquivo. Assim, não se poderia exibir cenas de dirigentes do PT, munidos de hábeas-corpus, recusando-se a responder a perguntas nas CPIs. Ou, ainda, a imagem de Duda Mendonça confirmando que recebeu R$ 10,5 milhões do PT numa conta no exterior – o que significaria que aquele partido tem recursos fora do país, o que é proibido por lei. Se, de fato, o TSE aceitar essa interpretação, estará avalizando a volta da Lei Falcão dos tempos da ditadura militar.

 

A política como Fla x Flu

Cada vez mais os políticos brasileiros se movem sem outros objetivos que não os de obter  vantagens imediatas para seus partidos. Foi-se o tempo em que PT e aliados tinham projeto de mudanças do país. Hoje, transformaram-se em meros “lulistas”, interessados tão-somente na reprodução do mandato do presidente. Da mesma forma, a aliança PSDB-PFL não tem um projeto diferente do que é implementado por Lula. Disputa apenas a chave do cofre e o controle do Diário Oficial. Se a eleição fica assim, transforma-se no sonho dos banqueiros: eles ganhariam com a reeleição de Lula e ganhariam com a eleição de um tucano qualquer.

 

Fórmula para a pizza

Nesta quarta-feira mais um mensaleiro foi absolvido: o deputado petista José Mentor (SP), que recebeu R$ 120 mil do valerioduto. O PT descobriu a fórmula ideal para assar as pizzas que protegem os mensaleiros: esvaziar o plenário. Como a cassação do mandato exige 257 votos (metade mais um do número total de deputados), a ausência tem o mesmo significado do voto pela absolvição. A essa altura, quem deve estar se lamentando é José Dirceu. Mesmo apontado na semana passada como chefe da “organização criminosa” pelo procurador-geral Antônio Fernando, se fosse julgado hoje talvez não tivesse perdido o mandato.

 

Perguntinha incômoda

José Dirceu vai depor na próxima quinta-feira para o Ministério Público de São Paulo sobre a morte do prefeito Celso Daniel. Como se sabe, o assunto provoca calafrios no PT. Além de responder sobre a acusação, feita por um dos irmãos de Celso, de que era o destinatário do dinheiro originário de um esquema de corrupção na prefeitura de Santo André, Dirceu se verá diante de outra questão enjoada: por que o PT, do qual era presidente na época, pagou por i