Laboratório da Prefeitura de Manaus começa a realizar novo método para diagnóstico da Tuberculose

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012 as 12:55, por: cdb

A partir da próxima segunda-feira (5), o Laboratório Distrital Leste (LDL), da Prefeitura de Manaus, passará a realizar um novo método, que permite chegar ao diagnóstico da Tuberculose em menos de 2 horas. O laboratório da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) será o primeiro da rede pública local a oferecer o exame, como parte dos estudos que estão sendo realizados pelo Ministério da Saúde para implantação do novo método, em todo o País. Em seguida, será a vez de duas unidades da rede estadual de saúde oferecerem o exame: a Policlínica Cardoso Fontes, que começa a realizar em abril e a Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD), onde o procedimento estará disponível, em maio.

O novo método já recebeu o aval da Organização Mundial de Saúde (OMS). O secretário municipal de Saúde, Francisco Deodato, observa, no entanto, que para implementá-lo no Sistema Único de Saúde (SUS), o Comitê de Incorporação de Tecnologia (Citec), do MS, exige dados nacionais que demonstrem o impacto significativo do método na saúde pública, a um custo acessível e justificável. Manaus e Rio de Janeiro foram as cidades escolhidas pelo Ministério, para a realização deste estudo, explica o secretário.

Chamado GeneXpert, o novo método permite chegar ao diagnóstico da Tuberculose em menos de duas horas. Outra vantagem é que, além de verificar a presença do bacilo Mycobacterium tuberculosis, o teste também detecta se o paciente é resistente à rifampicina (um dos antibióticos mais eficazes, do esquema de tratamento da doença). Atualmente, para testar a suscetibilidade do paciente aos antimicrobianos que tratam a tuberculose, utiliza-se o exame de cultura, cujo resultado leva de quatro a oito semanas para ficar disponível. 

O coordenador da Equipe Técnica de Ações de Controle da Tuberculose, da Semsa, Jair Pinheiro, afirma que a tendência é que o novo método venha mesmo a substituir a baciloscopia, como é chamado o exame mais utilizado atualmente para o diagnóstico da doença. Segundo Pinheiro, os estudos têm demonstrado que o método GeneXpert tem uma taxa de sensibilidade (capacidade de detectar a presença do Mycobacterium tuberculosis) de 92%. Na baciloscopia, esta taxa fica em 60%. “Além desta maior precisão, a redução no tempo para detectar se o paciente é resistente à rifampicina também é importante, pois permitirá a prescrição precoce das drogas de segunda linha, recomendadas para estes casos”, frisa o coordenador.

Durante o período do estudo, os pacientes com suspeita clínica de tuberculose pulmonar terão o exame de escarro (amostra de secreção pulmonar) realizado, primeiramente, pelo GeneXpert. Nos casos de resultado positivo, também será feita a baciloscopia – para fins de notificação ao PNCT e à OMS – e recomendado o início do tratamento. “O objetivo é identificar os resultados discordantes, ou seja, aquelas amostras que foram positivas no GeneXpert, mas negativas na baciloscopia. Isso permitirá dimensionar o número de casos de tuberculose ativa que foi detectado pelo novo método, mas que não teria sido diagnosticado pelo exame tradicional. A informação também será notificada ao PNTC e à OMS”, explica Pinheiro.

As equipes do Laboratório Distrital Leste e dos laboratórios da FMT e do Cardoso Fontes já foram treinadas para a utilização do novo método. Nesta quarta-feira (29), médicos e enfermeiros das redes municipal e estadual de saúde também participarm de treinamento, na sede da FMT, ministrado pelo coordenador do estudo em Manaus, o infectologista Marcelo Cordeiro. “Os profissionais estão atualizando os conhecimentos, principalmente no que se refere a diagnóstico, considerando as especificidades desta nova tecnologia”, destacou. Os servidores também conhecem detalhes do estudo e do equipamento.

Reforço no diagnóstico – No ano passado, com a inauguração do Laboratório Distrital Norte (LDN), na Cidade Nova, a rede municipal de saúde passou a realizar o exame de cultura para o diagnóstico de tuberculose. A oferta deste exame no laboratório do município representou a descentralização do serviço. Até então, a única referência da rede básica de saúde para o exame era o Laboratório Central, do Governo do Estado.  De acordo com o secretário Francisco Deodato, o LDN tem capacidade para realizar, aproximadamente, 3,2 mil exames de cultura de TB por ano e de 6,3 mil baciloscopias de escarro. Inaugurado em dezembro de 2011, o Laboratório Distrital Leste da Semsa também passará a realizar o exame de cultura para o diagnóstico da doença.

_____________________________Três Comunicação( 3651-7126 / 3651-8568 / 9116-3591 / 9116-1702Comunicação Semsa – 3236-8315/8844-5635Reportagem – Terezinha Torres