Justiça adia por mais 48 horas decisão sobre venda da Varig

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 12 de junho de 2006 as 18:37, por: cdb

O juiz Luiz Roberto Ayoub, titular da 8ª Vara Empresarial do Rio, aceitou a proposta de compra da associação dos Trabalhadores do Grupo Varig (TGV) de R$ 1 bilhão, feita no leilão realizado no último dia 8, desde que se comprove que a TGV pode atender às condições do edital. Ayoub concedeu prazo até às 12 horas da próxima quarta-feira para que os proponentes apresentem a comprovação.

Consultor econômico da TGV, Paulo Rabello de Castro disse que, após o pregão foi feita uma audiência judicial na qual ele mesmo esclareceu detalhes da proposta.

– Mas qualquer esclarecimento solicitado pelo juiz vai ser prestado. Se alguma coisa está obscura, vai ficar clara – ponderou.

Ele nega que a proposta dos trabalhadores inclui apenas uma parcela em dinheiro vivo, de R$ 285 milhões.

– É tudo em dinheiro vivo, à vista ou quase à vista – disse.

Castro informou ainda que a parcela inicial de R$ 225 milhões de dívidas da Varig com os empregados (créditos concursais) também é para o pagamento à vista:

– Na hora em que eles são trocados, é como se fosse dinheiro vivo.

Segundo Castro, o mesmo ocorre em relação aos R$ 500 milhões em debêntures (títulos).

– Na realidade, a questão das moedas é algo imaterial. O lance ofertado está de acordo com o que foi solicitado no edital – acrescentou.

Nova oferta

Caso a proposta da TGV seja recusada em juízo, há ainda a possibilidade da venda de ativos da Varig, admitiu Ayub em entrevista. Ele já teria recebido consultas neste sentido. Presidente da TAP, Fernando Pinto foi autor nesta segunda-feira, de uma nova proposta de compra da empresa ao juiz Luiz Roberto Ayoub, encarregado do processo de recuperação judicial da Varig, segundo uma fonte ligada ao Tribunal de Justiça. O valor da oferta ainda não foi divulgado, embora seria uma aquisição em consórcio com a Air Canada e o fundo de investimento norte-americano Brookfield.

Porta-voz da companhia portuguesa, em Lisboa, concordou que a “TAP não tem comentários a fazer mas continua a acompanhar o processo da Varig”. A TAP é uma das empresas interessadas em assumir as operações da Varig, como já demonstrou em propostas anteriores. A estatal portuguesa adquiriu no final do ano passado, por meio da AeroLB, a VEM e a VarigLog, antigas subsidiárias de manutenção e logística da Varig, respectivamente. Depois, a AeroLB vendeu a VarigLog para a Volo do Brasil.

A AeroLB, empresa de propósito específico formada pela TAP para a compra da VEM, visitou o “data room” (sala de informações) da Varig montado antes do leilão de venda da empresa brasileira, na semana passada. Apenas a NV Participações, que representa os Trabalhadores do Grupo Varig, porém, apresentou proposta de compra.