Jundiaí vai ganhar seu primeiro varejão noturno

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 1 de março de 2012 as 09:23, por: cdb

Os detalhes estão sendo finalizados e, dentro de mais alguns dias, deverão ser anunciados local e data da primeira versão do varejão noturno de Jundiaí. A ideia é realizar alguma coisa nos moldes do que existe hoje em cidades como Curitiba.

O secretário Yatim: criar uma nova opção para as compras da população

Porém, visando oferecer mais do que uma nova alternativa de horário para as compras do jundiaiense, o prefeito Miguel Haddad solicitou à Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento que fizesse um estudo no sentido de aprimorar a ideia. E a novidade logo apareceu: o varejão noturno terá não apenas os tradicionais produtos hortifrutigranjeiros já encontrados nos varejões como também opções gastronômicas para oferecer algo mais ao consumidor.

De acordo com o projeto, que está sendo finalizado na Secretaria de Agricultura, além das barracas que comercializam frutas, verduras, legumes, cereais e outros produtos tradicionais desse tipo de comércio, haverá barracas oferecendo comidas típicas, nos moldes do que é encontrado em cidades turísticas, como o Litoral.

“Estão sendo convidados interessados em explorar esse serviço, mas há o cuidado em oferecer produtos de qualidade e, sobretudo, de variedade”, explica o prefeito.

Varejão noturno

A ideia de um varejão noturno não é nova, porém, sua implantação demandou muitos estudos, para entender o perfil do consumidor e o que mais poderia interessar a ele nesse formato. O secretário municipal de Agricultura, Jorge Yatim, entende que tudo é questão de hábito. “Hoje, as pessoas estão acostumadas a frequentar varejões e feiras livres no seu horário tradicional, que é o período da manhã. Mas também há aqueles que buscam horários alternativos”, comenta.

Além disso, Yatim destaca que existem alternativas para modernizar o negócio e um dos exemplos mais recentes são os veículos adaptados para funcionar como verdadeiras bancas móveis. “São mais práticos e oferecem agilidade ao feirante na montagem e desmontagem”, explica.

Foto: Murilo Borçal