Jundiaí reduz em 29% o coeficiente de mortalidade infantil

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 1 de março de 2012 as 14:25, por: cdb

Jundiaí reduziu em 29,02% o coeficiente de mortalidade infantil. De 11,58 óbitos para cada mil nascidos vivos em 2010, o município baixou para 8,22 em 2011. O anúncio foi feito na tarde desta quarta-feira (29) pelo prefeito Miguel Haddad e pela secretária municipal de Saúde, Tânia Pupo.

O prefeito Miguel e Tânia Pupo conduziram a coletiva

Durante coletiva de imprensa, o prefeito destacou a importância desta queda, que demonstra a atenção que o setor de saúde tem recebido nos últimos anos.

De acordo com o prefeito, o coeficiente de mortalidade infantil representa um importante indicador para avaliação da qualidade da assistência à saúde prestada à população e a redução do índice reflete um conjunto de ações desenvolvidas pelo setor, a fim de assegurar a saúde das gestantes e dos bebês.

“Vínhamos trabalhando na rede de assistência para melhorar este índice. A partir de uma somatória de esforços atingimos o objetivo. Mas vamos trabalhar para reduzir ainda mais. Já superamos o índice considerado aceitável pela Organização Mundial de Saúde, que é de 10 casos para cada mil nascidos vivos”, enfatizou Miguel Haddad.

Miguel Haddad: redução é resultado de somatória de esforços

A queda gradativa do coeficiente de mortalidade infantil no município resulta de um conjunto de ações que, segundo a secretária Tânia Pupo, engloba melhorias das condições de saneamento básico e moradia, a organização do trabalho da rede de atenção básica, garantia de acesso ao pré-natal com, no mínimo, sete consultas por gravidez, imunização, atendimento ao parto com qualidade técnica e humanização, assistência pós-parto para mãe e bebê e o trabalho efetivo do Comitê Municipal de Mortalidade Materna e Infantil (CMVEMM), que atua na investigação de todos os óbitos deste grupo nas redes de saúde pública e privada.

“As ações vêm sendo desenvolvidas no decorrer dos últimos anos. Chegamos a um dígito e a manutenção dos números, e até mesmo uma regressão ainda mais significativa, dependem do contínuo monitramento e investimento nos serviços, nas equipes de saúde e na conscientização das gestantes pela procura ao pré-natal precocemente”, ressaltou a secretária, parabenizando os integrantes do Comitê e do Conselho Municipal de Saúde que acompanharam a coletiva, realizada no 8º andar do Paço Municipal.

Segundo a coordenadora do Comitê, Jacinta Pereira Matias, todos os óbitos em menores de um ano de idade são investigados. “Analisamos cada caso com base no prontuário e, quando necessário, entrevistamos a mãe”, disse.

O trabalho desenvolvido em Jundiaí envolve a rede pública e também os hospitais privados que aderiram a proposta do município na busca pela redução dos índices.

Em 2011, Jundiaí registrou 5.352 nascimentos. deste total, 85% das gestantes passaram por sete ou mais consultas de pré-natal, tendo acompanhamento médico mensal com orientações para a saúde e bem-estar delas e dos bebês. Nas consultas, em Unidades Básicas de Saúde ou no ambulatório de Saúde da Mulher para gravidez de alto risco, além de recomendações médicas, as gestantes também recebem orientações sobre alimentação saudável, aleitamento materno, saúde bucal e sobre o parto, com visita à maternidade do Hospital Universitário, referência materno-infantil e onde as futuras mamães atendidas na rede pública darão a luz.

Fotos: José Aparecido dos Santos

Comments are closed.