Julgamento de Suzane e irmãos Cravinhos é adiado

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 5 de junho de 2006 as 10:01, por: cdb

O julgamento de Suzane von Richthofen foi adiado, nesta segunda-feira, após os advogados abandonarem o plenário do julgamento, já que o juiz Alberto Anderson Filho não aceitou o pedido de adiamento após discussão de mais de duas horas. A nova data para o júri da jovem será 17 de julho, mesmo dia do julgamento dos irmãos Cravinhos.

A decisão foi anunciada pelo juiz Alberto Anderson Filho, que já nomeou um defensor público, Tiago Marin, caso a defesa não compareça na nova data do julgamento.

– Diante do abandono do plenário por todos os defensores é impossível ocorrer o julgamento nessa data. Fica designada a nova data para o dia 17 de julho – afirmou o juiz.

O advogado Mauro Otávio Nacif foi o primeiro a se retirar e criticou o juiz.

– O senhor foi arbitrário. Não vou me retirar de maneira grosseira, mas jurídica. Não vou fazer o júri e todos os outros estão se retirando – disse.

Ele deixou claro que não está renunciando à defesa. Antes de deixar o plenário, falou rapidamente com Suzane, sentada no banco dos réus.

A defesa pediu o adiamento do julgamento alegando que uma testemunha “imprescindível” não compareceu. Cláudia Soger, amiga de Marísia von Richthofen, assassinada junto com Manfred em outubro de 2002, enviou ofício informando que não compareceria porque está no exterior.

O juiz Alberto Anderson Filho também determinou que a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) seja notificada sobre o abandono dos advogados de defesa de Suzane. A solicitação foi feita pela Promotoria, que alegou que a retirada do júri foi um “injustificado abandono de plenário”.

Os promotores Nadir Campos e Roberto Tardelli também haviam pedido que o juiz determinasse um decreto de prisão preventiva fazendo com que Suzane saísse do Fórum da Barra Funda direto para o Centro de Ressocialização de Rio Claro, onde estava antes de conseguir prisão domiciliar. O juiz, no entanto, negou o pedido, pois considerou que “a ré já está presa” e “não pode esse magistrado modificar decisão de um tribunal superior”.

Também foi solicitado o desaforamento do caso, pois os jurados de São Paulo estariam sendo influenciados pela cobertura da imprensa. Com a saída dos advogados de Suzane, não foi nem mesmo possível sortear os jurados.

O julgamento dos irmãos Daniel e Christian Cravinhos foi adiado para o dia 17 de julho, pois os advogados Geraldo e Gislane Jabour não compareceram. Eles afirma que não conseguiram entrar em contato com os clientes, causando cerceamento da defesa. Com a decisão, Suzane será julgada separadamente dos irmãos.

Os irmãos voltarão ao Centro de Detenção de Pinheiros, em São Paulo, onde aguardarão o julgamento do dia 17 de julho.