Jovens que postaram mensagens discriminatórias na internet prestam depoimento em Curitiba

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 23 de março de 2012 as 15:14, por: cdb

Lúcia Nórcio
Repórter da Agência Brasil

Curitiba –  Os dois jovens presos ontem (22), por publicar mensagens com conteúdo discriminatório em um site na internet, prestaram depoimento nesta sexta-feira (23) na Superintendência da Polícia Federal (PF) em Curitiba.

“O que eles disseram corre em segredo de Justiça, e as investigações continuam para verificar se há outros envolvidos nessa rede criminosa”, disse o agente federal Marcos Korem, que acompanhou o depoimento de Eduardo Rodrigues, de 32 anos, que  mora em Curitiba. e Marcelo Mello, de 29 anos,  residente em Brasília. Eles foram presos em um hotel no centro da capital paranaense, acusados de divulgar mensagens de apologia a crimes de violência contra mulheres, negros, homossexuais, nordestinos e judeus, além de incentivo à pedofilia.

Segundo o agente Korem, o relatório sobre o caso será feito pelo delegado Flúvio Cardinelli, do Núcleo de Repressão aos Crimes Cibernéticos, e encaminhado ao Ministério Público Federal, que decidirá se oferece denúncia  criminal contra os dois rapazes. Enquanto isso, eles permanecem presos na sede da Polícia Federal, em Curitiba.

Eduardo e Marcelo podem responder pelos crimes  de  incitação e indução à discriminação ou preconceito de raça, por meio de recursos de comunicação social, incitação à prática de crime e publicação de fotografia com cena pornográfica envolvendo criança ou adolescente.

Uma das recentes publicações do site é dirigida a estudantes de Ciências Sociais da Universidade de Brasília (UnB). Naquele que afirma ser seu último registro, o autor da mensagem diz que não é louco, que age por vingança contra os que  lutam pelos direitos humanos de marginais e homossexuais e garante que não vai se suicidar. O Conselho Disciplinar Permanente da UnB acompanha o caso e já abriu processo, que tramita de forma sigilosa.

A página em que foram postadas as mensagens de conteúdo discriminatório ainda está na internet, hospedada em um provedor na Malásia. A Polícia Federal informou que já pediu ao governo malaio a desativação da página. Segundo o agente Koren, isso deve ser feito nos próximos dias.

Edição: Nádia Franco