Jovens brasileiros serão “embaixadores” nos EUA

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 8 de janeiro de 2005 as 12:15, por: cdb

“Espero quebrar muitos dos preconceitos que existem, tanto nossos em relação aos Estados Unidos, quanto deles em relação ao Brasil”, revela o estudante mineiro Willian Bosich de Souza. Ele é um dos 20 adolescentes selecionados para participar do programa Jovens Embaixadores, promovido pela Embaixada dos Estados Unidos no Brasil. Os jovens, todos estudantes de escolas públicas ou com bolsas integrais em colégios particulares, viajam hoje para os EUA, onde ficarão uma semana na capital, Washington, e na outra conviverão durante uma semana com uma família de estados do interior do país.

Willian tem 17 anos e é mineiro de Juiz de Fora. Como todos ou outros selecionados, ele se destaca na escola e tem um bom domínio da língua inglesa. Outra condição para participar do programa é integrar projetos voluntários.

– Eu dou aula de inglês, francês e português para crianças ligadas à Pastoral da Criança – conta Willian.

Também mineira, de João Monlevade, Rafaela Rosa de Sena diz que está levando fotos de várias cidades brasileiras para mostrar aos norte-americanos.

– Quero mostrar um pouco da nossa cultura, do nosso país, mas também falar de nossos problemas – conta Rafaela, que também levará na mala a massa para fazer pão de queijo.

O paraense Daniel Costa Luna, que tem 15 anos e estuda no Colégio Militar de Belém (PA), é outro que levará coisas típicas de sua região, como ervas de cheiro paraense e ímãs de geladeira feitos com sementes de açaí. Daniel também acredita que as pessoas mudarão seus conceitos sobre aquele país:

-A gente sempre vê noticias sobre os Estados Unidos, intervenção militar aqui e ali… Muita gente tem uma visão ruim dos americanos. Mas quando a gente conhece pessoalmente, percebe que são pessoas como eu e você, e que podem sentir carinho por você como qualquer pessoa, de qualquer parte do mundo.

Segundo o embaixador dos Estados Unidos no Brasil, John Danilovich, a embaixada quer aumentar a interação entre os dois paises.

– Em Washington as pessoas sabem bem o que é o Brasil e a sua importância, mas existem cidades no interior que não têm esse conhecimento. Esses jovens vão ajudar a mostrar o Brasil ali – explica.

Esta é a terceira edição do programa Jovens Embaixadores e neste ano, mais de 1,2 mil pessoas se inscreveram para a seleção. O programa conta com o apoio da Organização Não-governamental Partners of America e de algumas empresas privadas. Todos os custos da viagem são cobertos pelo programa, inclusive um auxílio para a compra de roupas. Além dos adolescentes, cinco professores foram selecionados para auxiliar os estudantes.