José Góes Filho se apresenta à Polícia Federal

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 7 de outubro de 2003 as 01:20, por: cdb

O ex-chefe da Delegacia Regional de Arrecadação Tributária (Derat) do Rio José Góes Filho afirmou na última segunda-feira, com exclusividade à Agência Estado, ter sido apresentado no início de 2003 a Alberto da Silva Correa Neto, acusado pela Polícia Federal de ser o principal intermediário do suposto esquema que apagaria dívidas de empresas com o Fisco.
 
Ele negou, porém, saber de qualquer tipo de atuação ilegal de Correa Neto na Receita Federal e declarou ter tido pouco contato com ele.

Góes Filho se apresentou na noite de segunda à Polícia Federal para cumprir prisão temporária decretada pelo juiz Lafredo Lisbôa, da 3.ª Vara Federal Criminal.
 
– Alberto me foi apresentado por um aluno, que passou um dia lá na delegacia para tomar um café e levou esse cidadão – contou o ex-delegado, que também é professor de contabilidade.
 
– Depois, vez ou outra, umas três, quatro, cinco vezes, (Alberto) passou por lá e foi me cumprimentar, não sei o que estava fazendo lá. Nas 2.300 ligações telefônicas interceptadas pela Polícia Federal, com autorização legal, esse cidadão nunca falou comigo. Se alguém tinha lobby comigo, por que nunca falou comigo? – questionou.

As afirmações contestam a representação do delegado da PF Maurício Mannarino Teixeira Lopes, segundo a qual Correa Neto tratava das fraudes com Góes, que levantaria na Receita as empresas que pudessem precisar dos ‘serviços’.
 
No mesmo documento, o policial também descreve a suposta atuação, dentro da Receita, de intermediários em conluio com servidores públicos.
 
– Absolutamente, não há esse tipo de contato. A delegacia do Rio é extremamente séria. Temos 14% da arrecadação do Brasil – afirmou Goés Filho.

O ex-chefe da Derat disse que estava entregando à PF documentos comprovando que os créditos utilizados no abatimento das dívidas eram idôneos e atribuiu as acusações a uma suposta ‘briga política’ entre o corregedor-geral da Receita Federal, Moacir Leão, e a cúpula do órgão.