Jornalistas será o primeiro turista brasileiro em órbita

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 2 de abril de 2006 as 13:57, por: cdb

O jornalista brasileiro Wilson Fernandes da Silva, de 41 anos, confirmou neste domingo que deverá se tornar o primeiro turista brasileiro no espaço em 2008. Ele estará entre as cem pessoas que serão passageiros dos primeiros vôos espaciais exclusivamente para turistas. Depois de vôos bem sucedidos do Space Ship One, do bilionário Paul Allen, em junho de 2004, que levaram ao espaço os primeiros turistas, o empresário britânico Richard Branson criou uma companhia aérea espacial – a Virgin Galactic.

A vontade de ir ao espaço fez com que o dono da revista científica australiana Cosmos, Alan Finkel, pagasse US$ 200 mil (cerca de R$ 463 mil) para ser um dos primeiros a ir para o espaço como turista. E ele convidou e pagou para Wilson, editor da revista, juntar-se a ele na “aventura espacial”.

– Desde criança, sempre sonhei em ir para o espaço, mas nunca pensei que realmente isso fosse acontecer. É incrível – disse Wilson, que nasceu em Santos e mudou-se para a Austrália aos nove anos de idade.

A Virgin Galactic está construindo cinco naves destinadas ao turismo espacial. Cada uma tem capacidade para sete passageiros e dois tripulantes e pode fazer duas viagens diárias. Wilson e Finkel vão estar entre os cem primeiros a realizar a viagem:

– Finkel e eu somos os únicos dois da Austrália. Ele, o primeiro australiano. Eu, o primeiro turista brasileiro e talvez o primeiro jornalista também.

O primeiro vôo será somente com passageiros da família Branson, com exceção da esposa do bilionário, que não quer ir. Porém não se sabe ainda quem serão os primeiros entre os cem turistas a irem para o espaço. As reservas serão decididas por sorteio.

– Finkel e eu temos um acordo. Como Finkel comprou a passagem para mim, caso meu nome seja sorteado antes do dele, tenho que ceder meu lugar para ele ir primeiro – brincou Wilson.

Até hoje, somente 444 pessoas já foram ao espaço. O risco de acidentes fatais é estimado em 3%, menor do que o risco de escalar o monte Everest, calculado em 4,7%.

– Claro que há riscos. É impossível se lançar em um foguete com três vezes a velocidade do som e não ter nenhum risco. Mas esta é uma das atrações – disse Wilson.

Reservas

Para fazer o turismo espacial não há qualquer tipo de seleção. É como um vôo qualquer de avião. Há apenas algumas regras para os passageiros: dois dias antes da viagem eles não devem comer nada sólido e seis dias antes haverá um treinamento. Antes da viagem haverá 50 vôos-testes.

– A segurança para Branson é extremamente importante – afirma o brasileiro.

Além destes primeiros turistas espaciais, já há mais 45 mil reservas de interessados nos vôos para o espaço. Wilson está ansioso pela viagem. Ele conta que muitas das pessoas que já foram ao espaço dizem que voltam diferentes, acrescentando que umas acabam ficando mais religiosas, outras viram artistas.

O brasileiro diz que não será o seu caso, mas acredita que é impossível ir ao espaço, ver a Terra daquela perspectiva, e não voltar mudado de alguma forma.

– Não sei no que vou mudar. Mas acredito que alguma mudança vai haver em mim – disse Wilson que tem cidadania brasileira, portuguesa e australiana.

Para Wilson, vôos espaciais significam o começo de viagens suborbitais, ultra-rápidas.

– Daqui a uns anos vai ser possível fazer uma viagem de Londres a Sydney em três horas. Sai-se da atmosfera, onde não há ar, e volta-se quando estiver sobre Londres – explicou o jornalista científico. Os primeiros vôos espaciais para turistas saem no final de 2008.