Jornalista diz na CPMI que recebeu caixa 2 de Perillo e coloca sigilos à disposição

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 27 de junho de 2012 as 13:41, por: cdb
CPMI Cachoeira
Jornalista afirma que seu trabalho limpo foi pago com dinheiro sujo, acusa Perillo e libera sigilos à CPMI

O jornalista Luiz Carlos Bordoni informou nesta quarta-feira à Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do Cachoeira que foi pago com recursos do caixa 2 da campanha do governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), por serviços prestados em 2010. Bordoni relatou ter recebido na conta de sua filha, Bruna Bordoni, R$ 45 mil da empresa Alberto e Pantoja, investigada pela Polícia Federal como parte do esquema criminoso atribuído ao empresário Carlos Augusto de Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira.

– O meu serviço limpo foi pago com dinheiro sujo – disse o jornalista que produziu os programas de rádio da campanha de Perillo. “O que existiu, de fato, foi o pagamento feito a mim com dinheiro de caixa dois”, destacou.

Além desse depósito, o jornalista disse ter recebido mais R$ 33,3 mil do departamento financeiro da campanha e mais R$ 10 mil pagos pelo presidente da Agência de Transportes e Obras (Agetop) de Goiás, Jayme Rincón, que era tesoureiro da campanha. Bordoni entregou à comissão documentos sobre sua movimentação bancária e de sua filha e autorizações de quebra dos sigilos bancários, telefônico e fiscal dele e de sua filha.

O jornalista disse também que o governador Perillo mentiu em seu depoimento à CPMI, ao demonstrar uma nota fiscal em nome da empresa Art Midi no valor de R$ 33,3 mil, como prova do pagamento que teria feito a ele.

– Se os senhores provarem onde está minha assinatura nessa nota eu engulo essa folha – disse o jornalista mostrando o documento que teria sido apresentado por Perillo. “O governador faltou com a verdade abusivamente quando aqui esteve”, destacou o jornalista.

O jornalista se disse magoado por ter sido chamado de mentiroso, controverso e irresponsável pelo governador Perillo. “Porque eu iria mentir? Fiz um pacto com o amigo Marconi, mas quem tem amigos como tal não precisa de inimigos”, disse o jornalista.

Ele também reclamou de ter sido apontado pela mulher de Cachoeira, Andressa Mendonça, como chantageador. “Quem sou eu para achacar o rei do achaque, o Al Capone do Cerrado. Vou processar todos eles, inclusive o dono da banda dos desafinados. Nada tenho a esconder, não temo encarar ninguém, seja quem for”, disse a testemunha. “Não se brinca com a honra e com a dignidade das pessoas”, destacou.

Comments are closed.